Corrupção

23-06-2017 21:11

PJ fez buscas na Câmara de Vila Verde no âmbito do processo "Ajuste Direto"

A operação "Ajuste Direto" resultou de uma investigação que durava há um ano e culminou na passada segunda-feira com a detenção de sete pessoas.
Hermínio Loureiro detido no âmbito da operação

Hermínio Loureiro detido no âmbito da operação "Ajuste Secreto"

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A Polícia Judiciária realizou buscas na Câmara de Vila Verde no âmbito do processo “Ajuste Direto”, que já levou à detenção de sete pessoas na segunda-feira, informou hoje à Lusa a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Em resposta enviada à Lusa, a PGR não revelou quaisquer outras informações sobre as buscas.

A Lusa tentou, insistentemente, ouvir o presidente da Câmara de Vila Verde, António Vilela (PSD), mas ainda não foi possível.

A operação "Ajuste Direto" resultou de uma investigação que durava há um ano e culminou na passada segunda-feira com a detenção de sete pessoas.

Entre os detidos, o nome mais mediático é o do vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Hermínio Loureiro, que também foi secretário de Estado da Juventude e Desporto do Governo PSD chefiado por Santana Lopes e presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (2006-2010).

Hermínio Loureiro foi ainda presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis até dezembro de 2016, quando renunciou ao mandato.

Na mesma operação, foram ainda detidos o atual presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis, Isidro Figueiredo (PSD), o presidente da Concelhia local do PSD, José Oliveira e o ex-presidente do conselho de administração da Assembleia da República e ex-deputado social-democrata João Moura de Sá, além de três empresários da construção civil.

Os arguidos são suspeitos de crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato e tráfico de influência.

João Moura de Sá integra a administração de uma das empresas do consórcio a quem a Câmara de Vila Verde adjudicou, em 2014 e por 10 anos, a recolha do lixo do concelho, por 490 mil euros anuais.

Na altura, os vereadores do PS votaram contra a concessão, alegando que o negócio configura um “verdadeiro atropelo à legalidade e à defesa do interesse público”.

Moura de Sá é ainda administrador de uma empresa de consultoria que a Câmara de Vila Verde contratou para a realização de estudos sobre a criação de empresas municipais.

Conteúdo publicado por Sportinforma