Futebol

28-06-2017 15:28

Leonardo Jardim e a homenagem em Chaves: "Estou orgulhoso"

Técnico foi homenageado em Chaves.
Leonardo Jardim:

Leonardo Jardim

Por SAPO Desporto c/LUsa sapodesporto@sapo.pt

Leonardo Jardim foi hoje homenageado na Câmara Municipal de Santa Cruz, a terra onde cresceu e onde deu os primeiros passos no futebol, primeiro como futebolista e depois como treinador.

O técnico do Mónaco recebeu a chave da cidade por parte do presidente da autarquia, Filipe Sousa, que já havia entregado o galardão aos pais de Leonardo Jardim a 25 de julho, o dia do concelho.

Na hora da homenagem, Leonardo agradeceu a honra da distinção e recordou muitas caras antigas que o viram a crescer na zona de Santa Cruz.

"É com muito orgulho e satisfação que recebo esta homenagem da Câmara, mas, ao mesmo tempo, para rever muitas das pessoas que estão aqui e que são parte da minha vida, como jovem, como aluno da escola, como jogador de futebol da formação do Santacruzense e como homem de Santa Cruz", destacou.

O técnico disse ainda ser uma "responsabilidade" elevar o nome de Santa Cruz e da Madeira "cada vez mais", palavras proferidas antes de assinar o livro de honra.

O presidente Câmara Municipal de Santa Cruz, Filipe Sousa, agradeceu a presença de Leonardo Jardim e lembrou uma frase proferida pelo mesmo após a conquista da liga francesa pelo Mónaco no mês de maio.

"Não é preciso jogar dentro do campo para sermos campeões", afirmou, pedindo de seguida uma enorme salva de palmas para o homenageado.

Leonardo Jardim, de 42 anos, nasceu na Venezuela, mas mudou-se para a Madeira ainda na infância.

Iniciou a carreira de treinador na formação do Santacruzense, a meio da década de 1990, passando depois como adjunto de vários emblemas madeirenses até se tornar treinador do Camacha em 2003.

Passou depois por Desportivo de Chaves, Beira-Mar e Sporting de Braga, sagrando-se depois campeão grego no Olympiakos na temporada 2012/13.

Esteve um ano no Sporting e rumou ao Mónaco em 2014, tendo conquistado este ano a liga francesa, ao final da terceira época, quebrando o ‘jejum’ de 17 anos do emblema do principado, contando com a ajuda dos internacionais portugueses Bernardo Silva e João Moutinho, além de outras figuras como Radamel Falcao e Kylian Mbappé.

Nota ainda para a presença de José Barros, adjunto de Leonardo Jardim no Mónaco, que também foi treinador do Camacha.

Conteúdo publicado por Sportinforma