II Liga

06-11-2010 19:29

Nulo trava Moreirense e Leixões

Moreirense e Leixões, que seguiam empatados com nove pontos, empataram hoje a zero, em encontro a contar para a sétima jornada da Liga de Honra em futebol.
Nulo trava Moreirense e Leixões

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

Embora partindo para este campeonato com objectivos diferentes – o promovido Moreirense assumiu a manutenção como meta, enquanto o despromovido Leixões é natural candidato à subida de divisão –, a igualdade na tabela fazia antever um jogo equilibrado.

Os matosinhenses começaram mais determinados, mas logo os minhotos revelaram querer defender a invencibilidade em casa - contavam apenas um empate, a contar para a Taça da Liga, enquanto o Leixões não tinha vitórias fora, apenas empates com Gil Vicente e Belenenses.

Aos 11 minutos, Fábio Espinho, na sequência de um livre, rematou forte para as mãos de Roberto, que voltou a ter de mostrar trabalho ao amparar um cabeceamento de Eder (27).

À passagem da meia hora, foi a vez de Antchouet começar a incomodar a baliza do ex-Moreirense Ricardo: primeiro com um remate forte (30 minutos), depois com um cruzamento perfeito que só pecou pela ausência de um qualquer companheiro de equipa para encostar para as redes (36).

Antes do intervalo, oportunidades repartidas. Oliveira e Tiago Cintra eram os mais insatisfeitos com o nulo, mas a jogada combinada acabou nas mãos do guarda-redes local (35 minutos). Castanheira (39) e Rodrigo (44) tiveram, cada um, uma boa oportunidade, mas a bola saiu por cima.

No segundo tempo, inverteram-se os papéis e começaram melhor os minhotos, com Antchouet de novo em evidência. Aos 60 minutos, ouviu-se golo no estádio, mas o remate do avançado gabonês foi interceptado primeiro por Danilo e depois pelo poste esquerdo da baliza de Ricardo.

Castro protagonizou a segunda oportunidade de maior perigo, com um remate forte de fora da área, que o guardião visitante defendeu em esforço (64 minutos).

Para os matosinhenses apenas há a registar os bons pormenores de Jean Sony, que, além de mostrar concentração na hora de defender, tentou oferecer aos companheiros de equipa um golo fácil, depois de uma arrancada solitária que terminou em bom cruzamento, mas ninguém estava por perto (75 minutos). A partida estava condenada a acabar em branco.