Futebol / Segunda Liga

29-05-2017 22:20

Varzim não se conforma com rescisão de jogador e espera decisão da justiça desportiva

O Varzim, da II Liga de futebol, informou hoje que continuará "a defender os seus interesses" na justiça desportiva, na sequência da rescisão unilateral interposta pelo jogador Keaton Parks.
futebol geral
Foto: SAPO Desporto

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O Varzim, da II Liga de futebol, informou hoje que continuará "a defender os seus interesses" na justiça desportiva, na sequência da rescisão unilateral interposta pelo jogador Keaton Parks.

O atleta norte-americano, de 19 anos, que representava os poveiros desde 2015, avançou, em fevereiro de 2017, com um processo de rescisão com o clube, alegando, entre outros motivos, salários em atraso, num processo a que lhe foi dada razão pela Comissão Arbitral Paritária (CAP).

No entanto, o Varzim, através de um comunicado, alegou que "não foi notificado [pela CAP] da existência do processo e que não lhe foi dada qualquer possibilidade para se pronunciar", considerando, ainda, que este organismo "é incompetente para decidir do processo de oposição de reconhecimento de justa causa para efeitos desportivos".

Os poveiros garantem que têm toda a situação salarial com o jogador regularizada e lembram que intentaram, sobre este assunto, uma ação no Tribunal Arbitral do Desporto (TAD), por consideraram que, em fevereiro de 2017, a CAP já estava extinta.

"O clube não podia ter dado entrada de uma ação para um organismo, a CAP, que nem sequer existia em fevereiro de 2017, altura em que estava extinta com as competências transferidas para o Tribunal Arbitral do Desporto", referem os poveiros.

Assim, o emblema poveiro garante que "irá aguardar com tranquilidade o normal decurso do processo que é válido e legalmente corre termos no TAD".

O jogador também reagiu à situação num comunicado enviado à agência Lusa, afirmando que o Varzim, "além de não cumprir com o pagamento de salários, também incumpriu com outras obrigações decorrentes do contrato de trabalho", nomeadamente no "tratamento e respeito com o jogador como seu colaborador e concessão de condições de trabalho".

No mesmo documento, o atleta diz que tentou "falar e resolver, amigavelmente, a situação com os responsáveis do clube, zelando pelos interesses da sociedade desportiva", mas que os responsáveis do Varzim recusaram qualquer aproximação nesse sentido".

Keaton Parks afirmou que a CAP verificou "um atraso no pagamento de retribuições por mais de 30 dias", disse ainda que o organismo "detém provas documentais" de todo o processo e que "tudo o que for alegado em contrário pelos responsáveis do Varzim não passa de falsidades e embustes destinados a encobrir eventuais inabilidades e incompetências".

Conteúdo publicado por Sportinforma