Portugal 2-0 Suécia

28-03-2017 20:29

Ronaldo (quem mais?) e auto-golo dão vantagem à Seleção ao intervalo

Ronaldo e um auto-golo de Granqvist vão dando vantagem à equipa das quinas.
Ronaldo
Foto: DR

Cristiano Ronaldo

Por Inês Antunes sapodesporto@sapo.pt

Portugal vai vencendo a Suécia por 2-0, em jogo de caráter particular disputado no Estádio do Marítimo, na Madeira. Ronaldo inaugurou o marcador aos 18 minutos e um auto-golo de Granqvist deu o 2-0 à formação lusa.

Para este encontro Fernando Santos promoveu uma autêntica revolução no onze, sendo Cristiano Ronaldo o único resistente em relação à equipa inicial escalada para o jogo com a Hungria, no último sábado. Foi a primeira vez, de resto, que o internacional português jogou na sua terra com a camisola das quinas.

No onze de Portugal, destaque ainda para Marafona, guarda-redes do SC Braga, que faz a sua estreia na seleção A, assim como para as titularidades de Luís Neto e Bruno Alves no eixo da defesa. No meio-campo, João Moutinho, Renato Sanches e Danilo Pereira formam um tridente de apoio a Gelson Martins, Bernardo Silva e Cristiano Ronaldo.

Curiosamente, também o selecionador da Suécia fez 10 alterações em relação ao jogo a contar para a fase de apuramento do Mundial de 2018, resistindo apenas o capitão Granqvist.

Os campeões europeus entraram determinados a dar aos madeirense um triunfo folgado. Ao minuto seis, Renato deixou o primeiro aviso, com um remate de fora da área, mas a bola saiu ao lado do poste esquerdo da baliza da Suécia. Aos poucos a formação nórdica também foi ganhando confiança, nomeadamente através de Claesson, mas Marafona mostrou-se sempre atento.

Aoa 18 minutos, Ronaldo (quem mais?) inaugurou o marcador, levando ao rubro os adeptos presentes no Estádio do Marítimo: excelente assistência de Gelson, de trivela, com o jogador do Real Madrid, a desviar para o 1-0.

A Suécia não se fez rogada e apenas três minutos depois, Claesson voltou a falhar o alvo por pouco, com um remate forte a passar por cima da barra da baliza de Marafona. Estava ao rubro o jogo no 'caldeirão'. Pouco antes da meia-hora de jogo, Ronaldo esteve muito perto de bisar, permitindo a (enorme) defesa de Johnsson para canto.

Nas bancadas pedia-se mais golos do madeirense, mas não foi preciso, uma vez que Granqvist, ao minuto 34, acabou por marcar na própria baliza, deixando a equipa das quinas com uma vantagem confortável ao intervalo.


Conteúdo publicado por Sportinforma