Seleção Nacional

12-06-2017 16:32

Ronaldo e André Silva deram o mote frente à Letónia. Agora vem a Confederações

Seleção nacional prepara competição na Rússia e Fernando Santos quer encontrar a melhor equipa.
Jogadores portugueses celebram um golo em Riga, Letónia
Foto: Ilmars ZNOTINS / AFP

Fernando Santos procura melhor equipa para competir na Taça das Confederações

Por Diogo Marcelo sapodesporto@sapo.pt

Foi um jogo de esforço, dedicação e de sacrifício por parte da seleção nacional para levar de vencida a seleção da Letónia, que se mostrou muito organizada e conseguiu fechar os caminhos da baliza letão durante grande parte da primeira parte.

Pelo menos até chegar o capitão. Cristiano Ronaldo, animal da área como todos o conhecem, acabou por fazer a diferença, aproveitando uma bola ressaltada no poste para fazer o primeiro golo da partida.

Na segunda parte, continuou o show Ronaldo, com mais um golo, com passe sortudo do amigo Quaresma, seguido de André Silva, o jovem goleador que parece ter dissipado todas as dúvidas relativamente à descoberta do novo número nove da seleção nacional.

A passe de Cristiano Ronaldo, o jovem atacante não temeu frente a Vannis e colocou o resultado em 3-0, garantindo a tranquilidade em mais uma jornada de qualificação para o Mundial 2018, uma luta taco-a-taco com a Suíça.

Mas antes, há Confederações a disputar uma Taça. Portugal estreia-se nesta competição, fruto da inédita conquista do Campeonato Europeu de futebol, em França.

E Fernando Santos poderá ainda ter coisas a mudar na equipa titular do conjunto luso, mas vamos por partes.

A baliza está entregue. Rui Patrício é titular indiscutível e não deve perder o lugar nem frente a Beto nem frente a José Sá. A segurança entre os postes é um dos pontos fortes de Portugal e o guarda-redes do Sporting continua a dar provas da sua qualidade.

Nélson Semedo e Cédric Soares em luta saudável pela titularidade

Na defesa, dúvida no lado direito. Cédric Soares e Nélson Semedo têm-se exibido a bom nível nos últimos jogos que têm realizado. O lateral do Southampton esteve bem no jogo frente ao Chipre mas foi muito fustigado no jogo com a Letónia. Nélson Semedo tem atuado sempre como suplente mas tem conseguido bons apontamentos quando é chamado por Fernando Santos.

Por outro lado, a zona central da defesa poderá ser outra dor de cabeça para Fernando Santos. José Fonte parece ser o único jogador certo, numa posição que ainda tem Bruno Alves, Pepe e Luís Neto como opções. O novo jogador do Rangers mostrou qualidade frente à Letónia, segurando a grande área lusa frente à seleção letã. Por outro lado, Luís Neto realizou uma boa exibição frente ao Chipre, o que pode também dar garantias ao selecionador nacional. Quanto a Pepe, esteve lesionado e não se sabe se estará em condições para se exibir ao mais alto nível.

Do lado esquerdo da defesa, Raphael Guerreiro deverá ser o titular indiscutível, não obstante o bom jogo realizado por Eliseu frente à equipa cipriota. O jovem lateral do Borussia de Dortmund dá muitas garantias na defesa e ataca de forma segura e confiante, o que poderá ser mais uma arma para Fernando Santos atacar a Taça das Confederações.

Meio campo com lugares por decidir

No meio campo, tanto Danilo Pereira como William Carvalho são boas opções para a posição mais recuada daquela zona do campo, com boas exibições realizadas frente a Chipre e Letónia, respetivamente.

Quanto às outras posições no meio-campo, existe apenas uma certeza: João Moutinho. O médio do Mónaco tem sido o pêndulo que regula o meio campo da seleção lusa. Frente ao Chipre, marcou dois golos de livre direto. Frente à Letónia, foi o grande responsável por recuperar muitas bolas e iniciar a transição ofensiva da equipa nacional.

Resta André Gomes, Adrien Silva e Pizzi. O jogador do Barcelona teve uma época discreta mas continua a ter a confiança de Fernando Santos. Adrien Silva também poderá ser uma boa opção, devido à boa época que realizou no Sporting. Já Pizzi surge como o jogador que poderá partir mais atrás nas opções, não por ter tido uma época fraca em termos exibicionais (conquistou três títulos pelo Benfica e foi o jogador mais utilizado) mas por ter menos experiência na seleção nacional e nas grandes competições de seleções.

Ronaldo e André Silva estão certos. Lado direito do ataque em dúvida

Na frente do ataque, duas certezas: Cristiano Ronaldo e André Silva. O capitão da seleção nacional tem feito um final da época completamente dominante, mostrando-se fresco e pronto para os desafios que agora se avizinham. Já André Silva parece ser o elo perdido que todos os portugueses procuravam, o nove, o avançado decisivo. Em apenas oito jogos, o jovem avançado português, que assinou hoje pelo AC Milan, marcou sete golos, mostrando toda a sua qualidade na frente do ataque.

Do lado direito do ataque é que parece estar a grande dúvida. Existem quatro candidatos ao cargo: Nani, Bernardo Silva, Gelson Martins e Ricardo Quaresma e cada um com os seus argumentos.

Nani é o jogador mais experiente dos três e o mais habituado a jogar naquela posição na seleção nacional. No entanto, uma época menos boa a nível de presenças e de exibições pelo Valência poderá levar o jogador a não ser opção.

Bernardo Silva e Gelson Martins surgem também como hipóteses fortes. O agora médio do Manchester City realizou uma das melhores épocas da sua carreira, conquistando a Liga Francesa pelo Mónaco. O jogador surge como o segundo mais experiente da seleção nacional e a sua velocidade, aliada à qualidade técnica que lhe é reconhecida pode dar outras garantias a Fernando Santos para a Taça das Confederações.

Já Gelson Martins teve a sua época de afirmação este ano ao serviço do Sporting, o que lhe garantiu também a chamada à seleção nacional e à participação na Taça das Confederações. A sua velocidade e capacidade de explosão são pontos fortes do jovem jogador, que poderá começar a dar os primeiros passos de sucesso na equipa lusa.

Ricardo Quaresma é um 'habitué' da seleção nacional. O extremo do Besiktas faz sempre uma boa parceria com Cristiano Ronaldo e ainda no último jogo, fez um passe que, depois de um ressalto, acabou em golo do jogador do Real Madrid. A sua imprevisibilidade, aliada à qualidade técnica que também tem é mais uma das opções que poderá dar boas 'dores de cabeça' ao selecionador nacional.

Fernando Santos parte assim com muitas decisões a tomar. A seleção nacional estará em estágio esta semana, onde o selecionador nacional poderá ver com mais atenção todos os jogadores e perceber qual o melhor onze a apresentar frente ao México, já no próximo dia 17 de junho.

*artigo corrigido e atualizado no dia 14/06/2017, às 11h08.

Conteúdo publicado por Sportinforma