Futsal

08-09-2016 07:09

Jorge Braz promete Portugal de 'qualidade e extremamente ambicioso'

Portugal integra o grupo A juntamente com Colômbia, Panamá e Uzberquistão.
1ea99bc55253d74f01f8033147d9cd7db67ea303.jpg
Foto: © 2015

O técnico apontou como “reais e objetivas” expectativas “vencer o grupo para depois ter alguma vantagem, especialmente logística numa segunda passe para maior recuperação entre os jogos a eliminar”.

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O selecionador Jorge Braz garantiu que Portugal está “focado” em apresentar-se com “qualidade e extremamente ambicioso” no Mundial2016 de futsal, que vai decorrer na Colômbia entre 10 de setembro e 02 de outubro.

“Só estamos preocupados connosco porque se nós não cometermos alguns erros e tivermos a nossa identidade, não há que ter receio. Temos um Portugal de qualidade e extremamente ambicioso”, disse Jorge Braz, em entrevista à agência Lusa.

O técnico apontou como “reais e objetivas” expectativas “vencer o grupo para depois ter alguma vantagem, especialmente logística numa segunda passe para maior recuperação entre os jogos a eliminar”.

Portugal estreia-se neste Mundial num jogo com a Colômbia, anfitriã da prova, mas o facto dos sul-americanos jogarem em casa não preocupa o selecionador português que vincou que a seleção portuguesa “sabe muito bem o que tem de fazer” e está e “a preparar muito bem os três jogos [da fase de grupos]”.

“Isso até é bom para nós. Poder iniciar o Mundial num pavilhão que vai estar completamente cheio, num ambiente tipicamente de Mundial, só tem de nos motivar ainda mais”, disse Jorge Braz.

Portugal integra o grupo A e à Colômbia soma-se o Panamá e o Uzberquistão, um grupo descrito como “competitivo” que está dentro de um Mundial onde poderão, acredita o selecionador, acontecer “surpresas”.

“Muitos países estão a preparar-se com grande rigor. Existe sempre uma cultura diferente. O jogo e a forma de abordar o jogo tem muito a ver com a cultura local, portanto existem abordagens ligeiramente distintas em função da cultura também distinta de cada país. Uns maus físicos, outros mais técnicos. Uns mais irreverentes, outros mais pacientes”, descreveu.

Quanto a ‘favoritos’ à vitória final, Jorge Braz apontou os únicos atuais detentores do título, Brasil e Espanha, somando a Rússia, a Argentina, o Irão e a Itália, sem deixar de garantir que Portugal está “claramente no lote dos países que ambicionam algo”.

Aliás Jorge Braz não fez promessas, mas em casa garantiram-lhe que não entrava antes de outubro.

“A minha esposa proibiu-me de voltar antes mas não depende dela, depende de nós e nós tudo faremos para voltar o mais tarde possível como é evidente. Estamos com muita ambição e com muita vontade de ser Portugal mas com os pés bem assentes e a perceber as várias etapas que temos de passar. A primeira etapa é claramente o grupo. Sem deslizes. Este Mundial pode ser o Mundial das surpresas”, analisou.

Questionado sobre o processo de renovação de jogadores de futsal, Jorge Braz falou de um trabalho “de anos”, cujos resultados poderão não surgir “no imediato”, mas vincou ter neste momento “14 [jogadores] prontos para o imediato”.

“Temos aí gente nova. Voltamos a ter jogadores extremamente jovens nesta convocatória. Temos ai gerações muito interessantes nas seleções jovens. Para alguns jogadores jovens que temos aqui já não é novidade vestir o equipamento e perceber o que é o espaço seleção e o que têm de fazer”, concluiu.

Conteúdo publicado por Sportinforma