Jogos Olímpicos

28-08-2015 08:10

Tóquio reduz capacidade do estádio olímpico para 2020

O primeiro-ministro Shinzo Abe anunciou um corte de 730 milhões de euros no custo da obra.
Futuro Estádio Olímpico de Tóquio para os Jogos Olímpicos
Foto: EPA/JAPAN SPORT COUNCI

O estádio vai passar de 80 mil para 68 mil lugares

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O Governo japonês aprovou hoje o novo plano do estádio para os Jogos Olímpicos de 2020 que corta o orçamento para aproximadamente metade e diminui a capacidade de lotação do recinto desportivo de 80.000 para 68.000.

O estádio, onde se vai realizar a cerimónia de abertura dos Jogos, tem um orçamento de 155.000 milhões de ienes (1.131 milhões de euros), de acordo com o documento aprovado hoje pelo Executivo.

Tal representa quase metade do valor do projeto concebido inicialmente, cujos custos dispararam até aos 252.000 milhões de ienes (1.855 milhões de euros).

O novo plano revê também em baixa o número previsto de lugares fixos – de 80.000 para 68.000 –, apesar de a capacidade de lotação inicial poder ser atingida com a colocação de arquibancadas suplementares.

O Governo também vincou o objetivo de terminar a construção do recinto em janeiro de 2020, tal como solicitado pelo presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), John Coates, durante uma reunião, no início da semana, na capital japonesa.

“Conseguimos uma significativa redução do gasto na ordem dos 100.000 milhões de ienes (730 milhões de euros)”, realçou o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, durante a reunião ministerial em que foi dada ‘luz verde’ ao novo plano.

Em meados de julho, o Governo decidiu começar do zero e descartar o projeto inicial, concebido pela arquiteta anglo-iraquiana Zaha Hadid, na sequência de uma onda de críticas devido à sua dimensão faraónica e, consequentes, custos excessivos.

O Japão vai lançar, no próximo mês, um novo concurso internacional para escolher outro projeto, devendo a construção ter início até finais de 2016.

Ao aprovar as linhas gerais para o novo projeto, o Governo decidiu “dar prioridade aos atletas” e “concentrar-se nas funções necessárias para os [diferentes] desportos”, afirmou o primeiro-ministro japonês, em declarações reproduzidas pela NHK.

“Agora em diante vamos rever bem todos os processos, sobretudo os necessários para a construção, e iremos explicar o seu estado a cada momento”, disse.

Conteúdo publicado por Sportinforma