Rio'2016

31-07-2016 14:33

Angola com oito presenças e 148 atletas na história dos Jogos Olímpicos

Angola já disputou 10 modalidades, representadas por 82 atletas do sexo masculino e 66 do feminino.
Seleção olímpica de andebol feminino de Angola
Foto: Angop

Seleção olímpica de andebol feminino de Angola

Por SAPO Desporto c/Angop sapodesporto@sapo.pt

Cento e 48 é o total de desportistas que representaram o país nas oito edições em que Angola esteve nos Jogos Olímpicos, quando se avizinha mais uma festa desportiva quadrienal, desta no Rio de Janeiro (Brasil).

O desportista mais jovem a representar o país foi o nadador Jorge Lima (13 anos e 8 dias), que integrou a missão olímpica de Moscovo em 1980. No sentido oposto, Emanuel Fernandes “Manucho” (volei de praia) foi o mais velho com 41 anos e 16 dias quando disputou os Jogos de Pequim em 2008.

A natação e o atletismo são totalistas e na maioria dos casos beneficiaram da política da “Universalidade dos Jogos” adoptada pelo COI para assegurar a presença de todos os países do mundo neste evento.

Outras modalidades que já desfilaram nos JO são o andebol, basquetebol, judo, boxe, tiro, vela, volei de praia e canoagem. Além destas, em Barcelona92 foi realizado um torneio de exibição em hóquei em patins no qual Angola participou.

Moscovo80 teve 11 angolanos em atletismo, natação e boxe, sendo 10 homens e a única mulher foi a nadadora Michele Pessoa. O corredor Fernando Lopes foi o porta-bandeira.

Quatro anos depois, a equipa mais do que duplicou com 24 desportistas e aumentou para quatro modalidades com a entrada do judo, sendo 19 homens e cinco senhoras, com o porta-bandeira João Ntyamba (atletismo).

A terceira participação, em Barcelona1992, 28 atletas disputaram seis modalidades, um recorde só batido agora no Rio2016. Entrou a primeira modalidade colectiva (basquetebol) e ainda a vela, que se juntaram às quatro anteriores. O basquetebolista Jean Jacques da Conceição encabeçou o desfile da Missão Angolana. Vinte e cinco homens e três senhoras fizeram a história em Espanha.

Seguiu-se Atlanta96 com a estreia de uma das actuais referências de Angola nos Jogos Olímpicos – o andebol feminino. Com a andebolista Palmira Barbosa empunhar a bandeira vermelha, amarela e preta, novamente 28 atletas (13 H /15 M) participaram em cinco modalidades onde também se estreou o tiro.

Em Sidney2000, o total de desportistas subiu para 30 e registou-se um empate a 15, entre homens e mulheres, para as mesmas cinco modalidades, com a nadadora Nádia Cruz à porta-bandeira.

Nos Jogos seguintes, quando o evento regressava às origens, Atenas2004, Angola teve como porta–bandeira Ângelo Victoriano e as habituais natação, atletismo, andebol e basquetebol, juntou-se o judo e saiu o tiro. Estiveram presentes 30 atletas, sendo 16 homens e 14 senhoras.

Nos Jogos de Pequim2008, João Ntyamba foi o porta-bandeira, à frente do grupo de 32 elementos (17 H / 15 M), para seis modalidades, incluindo as estreantes canoagem e volei de praia.

Finalmente, em Londres2012, a Missão Angolana era composta por 34 elementos, mas o único representante do boxe faltou à pesagem e foi excluído da competição por força do regulamento. Por esta razão, os registos oficiais não fazem referência.

Foi a primeira vez que o basquetebol feminino se fazia presente, mas falhava a classe masculina. A judoca Antónia de Fátima “Faya” carregou a bandeira na cerimónia de abertura e a andebolista Marcelina Kiala encerrou os Jogos. Neste evento registou-se uma goleada das senhoras com 29-4, uma resposta a Barcelona92, em que os homens “cilindraram” por 25-3.

Este percurso de Angola vai agora, de 5 a 21 de Agosto, em terras brasileiras, conhecer uma nova dinâmica, sobretudo do ponto de vista competitivo, já que grande parte dos 25 representantes de Angola está no palco do evento por mérito, ou seja, tem nível competitivo para lá estar.

O andebol feminino será a única modalidade colectiva desde 1992. O remo estreia-se e a vela e o tiro retornam, e juntam-se ao judo, atletismo e natação.

Conteúdo publicado por Sportinforma