Remo

24-05-2017 08:44

Fraga e Mendes de novo juntos para voltar aos Jogos Olímpicos de Tóquio2020

Remadores procuram regressar aos Jogos Olímpicos depois de falharem a qualificação para o Rio'2016.
Londres 2012: Remo: Pedro Fraga e Nuno Mendes
Foto: Lusa

Remadores procuram regressar aos Jogos Olímpicos depois de falharem a qualificação para o Rio'2016.

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

A dupla Pedro Fraga e Nuno Mendes deseja voltar a competir em Jogos Olímpicos, mas está ciente de que após falhar o Rio2016 os desafios são ainda maiores no ciclo rumo a Tóquio2020.

“Sabemos que cometemos alguns erros no ciclo passado que não nos permitiram continuar a progredir. E percalços na equipa técnica, dos quais nos ressentimentos. Nunca conseguimos encontrar a velocidade que tivemos em Londres2012. Fisicamente, estamos iguais ou melhor, mas, no barco, não estamos com a mesma velocidade. Esses dados (físicos) dão-nos motivação”, diz Pedro Fraga.

Em declarações à Agência Lusa, Fraga, de 34 anos, acredita que pode repetir a presença olímpica, depois do oitavo lugar em Pequim2008 e do quinto em Londres2012.

“Saber que já o fizemos uma, duas vezes, faz-nos acreditar que podemos repetir. A nível de condições físicas, estamos lá. Agora, com trabalho e muito empenho, vamos procurar a velocidade que já tivemos em outras alturas”, comentou.

No ciclo do Rio2016 foram feitas várias experiências e nem sempre a dupla remou junta – agora, os portuenses, que representam o Sporting, não querem passar pelo mesmo, focando-se desde início no objetivo.

“Quisemos começar a competir já os dois e não perder tempo como nos últimos quatro anos até 2016. Consolidar o trabalho. Não é fácil, até porque o programa olímpico sofreu algumas alterações que tornam a nossa categoria mais competitiva. Devemos estar concentrados e na máxima força, senão não temos hipótese”, reconheceu Nuno Mendes, de 33 anos.

O programa olímpico tinha dois barcos ligeiros, mas a tripulação de quatro elementos foi eliminada, pelo que todos os atletas mais leves que desejem competir em Tóquio2020 só o poderão fazer o double-scull, que assim vai ter mais pretendentes e aumentará o nível de competitividade.

O caminho é longo e começa já de sexta-feira a domingo, com os Europeus de Racice, na República Checa, com a dupla a ser acompanhada apenas de Joana Branco, em scull ligeiro.

“Vamos com o espírito de ir disputar os primeiros lugares. É esse o nosso objetivo. Conseguir entrar no projeto olímpico, atingir um lugar que nos dê acesso ao projeto”, especificou Nuno Mendes.

Pedro Fraga quer “mostrar já algum andamento para depois, nos mundiais dos Estados Unidos, no fim de setembro, atacar novamente um bom lugar” que permita a integração no Projeto Olímpico e assim pensar a quatro anos”.

A dupla, que vai dividindo o trabalho entre o Centro de Alto Rendimento de Montemor-o-Velho e Coimbra, lamenta o facto de não poder ter acompanhamento permanente do norte-americano Mike D'Eredita, responsável técnico do projeto da federação, que apenas trabalha a espaços com a dupla, face às limitações financeiras do organismo.

Fraga e Mendes reconhecem ainda o “esforço da federação para formar um grupo” que se aproxime do seu valor e assim aumentar a competitividade interna, porém entendem que esse projeto ainda está na “fase inicial” e que é preciso esperar para colher frutos desse trabalho.

Conteúdo publicado por Sportinforma