Surdolímpicos

16-07-2017 11:33

Presidente do Comité Paralímpico Português espera prestações "honrosas" dos atletas na prova

Delegação portuguesa vai contar com 11 atletas na prova que decorre em Samsun, na Turquia.
File Athletics Moscow
Foto: Lusa

Presidente do Comité Paralímpico de Portugal não define objetivos em termos de medalhas

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O presidente do Comité Paralímpico de Portugal (CPP) quer que os 11 atletas que vão representar Portugal nos Jogos Surdolímpicos Samsun2017, na Turquia, tenham “prestações honrosas dignas”, mas não estabelece objetivos quanto a medalhas.

“Queremos que estes atletas tenham boas prestações, se assim for, é óbvio que podem chegar ao pódio”, disse José Lourenço à agência Lusa, destacando as mudanças positivas verificadas ao longo deste ciclo surdolímpico.

“Pela primeira vez, existiu um contrato plurianual de preparação para os Jogos Surdolímpicos com condições semelhantes aos Jogos Paralímpicos”, explicou.

O presidente do CPP defendeu que a existência desse contrato para os Jogos Surdolímpicos, que vão decorrer entre terça-feira e 30 de julho, permitiu uma “evolução muito positiva e significativa no trabalho de treino dos atletas”.

Portugal somará nos Jogos Surdolímpicos Samsun2017 a sua sétima participação na competição, tendo conquistado um total de 11 medalhas.

Há quatro anos, em Sófia, na Bulgária, Portugal esteve representado por 13 atletas, que conquistaram três medalhas, elevando para 11 o número de pódios por desportistas lusos desde 1993, também na capital búlgara.

Em 2013, Sófia tornou-se na segunda cidade a receber a competição pela segunda vez, apresentando-se como uma alternativa de recurso, depois de desistência de Atenas, que prescindiu de organizar a competição devido à crise económica.

Antes da capital da Bulgária, Copenhaga recebeu os Jogos Surdolímpicos em 1949 – no ano que a competição voltou depois de uma década de interregno devido à II Guerra Mundial – e em 1997.

A 23.ª edição da prova contará com cerca de 3.500 atletas, oriundos de mais de 97 países, que competirão em 21 modalidades.

Os Jogos Surdolímpicos, o segundo maior evento desportivo mais antigo do Mundo, tiveram a sua primeira edição em 1924, em Paris, tendo então sido disputados por 145 atletas oriundos de nove países europeus.

A competição, que foi o primeiro evento desportivo para pessoas portadoras de necessidades especiais, realizou-se com uma periodicidade de quatro em quatro anos, tendo sido interrompida entre 1940 e 1949 devido à II Guerra Mundial.

Os Jogos, que em 1949 viram ser criada uma versão de inverno, atingiram em meados do século XX uma dimensão mundial.

Entre 1924 e 1965, o evento foi conhecido como Jogos Internacionais para Surdos ou Jogos Internacionais Silenciosos, passando depois a ser denominados como Jogos Mundiais para Surdos. Desde 2000 foi adotada a atual designação.

O evento é organizado pelo Comité Internacional de Desporto para Surdos (ICSD), criado em 1924 e que em 1955 foi admitido pelo Comité Olímpico Internacional como federação internacional.

Para participar nos Jogos Surdolímpicos, os atletas devem ter uma perda de pelo menos 55 decibéis no seu “ouvido melhor”, não sendo permitido o uso de quaisquer aparelhos ou implantes auditivos.

Nas modalidades em que os árbitros recorrem normalmente ao uso de apitos estes são substituídos por uma bandeira vermelha, enquanto na natação e atletismo é utilizado um flash vermelho em vez da habitual pistola para o tiro de partida.

Conteúdo publicado por Sportinforma