Rio2016

08-08-2016 15:22

Antigas internacionais realçam poder da seleção angolana de andebol

Angola está no grupo A, ao lado de Brasil, Espanha, Roménia, Montenegro e Noruega.
Odeth Tavares
Foto: ANTONIO ESCRIVAO

Maria Odeth Tavares, antiga guarda-redes do 1º de Agosto e da seleção angolana.

Por SAPO Desporto c/ Angop sapodesporto@sapo.pt

A seleção angolana de andebol está presente nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro2016 com o objetivo de mostrar competitividade frente a qualquer adversária independentemente do seu 'ranking', disse esta segunda-feira, em Luanda, a capitã do 1º de Agosto, Elizabeth Caílo.

Fazendo uma antevisão ao jogo com Montenegro, da próxima madrugada, para a segunda jornada do grupo A, Caílo, que esteve nos Jogos Olímpicos de Pequim (China), em 2008, indicou que a equipa angolana vai entrar para a quadra concentrada, com o objetivo de fazer o seu melhor.

"Já deixámos a nossa marca nesta prova. Se Montenegro nos deixar passar nós vamos avançar. Sabemos o potencial deste adversário da segunda jornada, que já nos ganhou em Jogos Olímpicos e em Campeonatos do Mundo. Vamos fazer o nosso melhor dentro da quadra", realçou.

Nos Jogos Olímpicos de Londres Angola perdeu por cinco golos de diferença, enquanto no Mundial realizado no Brasil as comandadas de Filipe Cruz baquearam por 26-28.

A atleta realçou que a seleção deverá focar mais nos detalhes, sobretudo na finalização, para tentar ultrapassar as montenegrinas.

Na sua opinião, a vitória sobre a Roménia deveu-se ao facto de as jogadoras terem estado concentradas do primeiro ao último minuto, tendo recebido bem as orientações da equipa técnica.

Enquanto isso, a antiga internacional Nair Almeida antevê maior frieza das representantes africanas diante da seleção de Montenegro (vice-campeã do mundo).

"Devemos entrar calmas e frias na quadra sem temer a adversária. Aliás, a vitória que tivemos na primeira jornada frente à Roménia dá-nos alguma motivação para o segundo jogo, contra uma equipa que perdeu na estreia por 19-25 para a Espanha", referiu.

Diante da Roménia, Nair Almeida, que encerrou este ano a sua carreira como atleta, disse que as meninas entraram muito bem, apesar de as romenas possuírem a melhor jogadora do mundo, que foi bem marcada.

"Estivemos bem colectivamente, assim como individualmente", rematou.

Por outro lado, a antiga guarda-redes do 1º de Agosto e da seleção angolana Maria Odeth Tavares acredita no potencial das jogadoras e do treinador, que vão procurar fazer o melhor frente a adversárias do topo mundial.

Destacou a prestação das guarda-redes que estiveram bem durante a partida em que a Angola derrotou a Roménia, por 23-19, assim como as restantes companheiras de campo.

"A vitória obtida sobre a Roménia abre-nos boas perspetivas para os desafios a seguir nesta prova olímpica. Para além disso, poderemos melhorar a classificação que tivemos nos Jogos Olímpicos de Londres2012", defendeu.

Angola está no grupo A, ao lado de Brasil, Espanha, Roménia, Montenegro e Noruega.

Conteúdo publicado por Sportinforma