Rio'2016

11-08-2016 19:28

Alexis Santos 'salvou' a natação portuguesa no Rio

O nadador luso pediu "mais apoios aos atletas e mais condições de treino".
Alexis Santos
Foto: INÁCIO ROSA / LUSA

O nadador português foi o único a bater marcas nacionais nestes Jogos

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

Alexis Santos 'salvou' a prestação de Portugal nas provas de natação pura dos Jogos Olímpicos Rio2016, que fechou hoje, ao conseguir uma presença nas meias-finais, com recorde pessoal, e um recorde nacional.

Enquanto Diogo Carvalho, Victoria Kaminskaya e Tamila Holub se ficaram pelas eliminatórias, sem recordes pessoais, o nadador do Sporting destacou-se, tanto nos 200 metros estilos, selando a primeira presença lusa numa meia-final desde Seul1988, como nos 400, com um novo máximo português. “Era aquilo que sonhava”, garantiu Alexis Santos, após a sua meia-final, lamentando apenas o facto de não ter conseguido também bater o recorde nacional dos 200 estilos.

O nadador de 24 anos foi 12.º nos 200 estilos, ao conseguir o apuramento para as meias-finais – sucedendo, em Jogos Olímpicos, a Alexandre Yokochi -, com um registo 1.59,67 minutos, que retirou nove centésimos ao seu recorde pessoal, os 1.59,67 que lhe valeram bronze no Europeu.

Nas meias-finais, Alexis Santos não logrou melhorar a sua marca, ao ficar-se por 2.00,08 minutos, falhando o objetivo pessoal de bater o recorde nacional. O nadador ‘leonino’ não o conseguiu nos 200 metros estilos, mas logrou esse objetivo nos 400 estilos, ao nadar as eliminatórias em 4.15,84 minutos, acabando no 14.º lugar final, numa prova sem meias-finais.

Alexis Santos tirou 46 centésimos de segundo ao máximo que já lhe pertencia, desde 04 de agosto de 2013, quando fez 4.16,30 nas eliminatórias dos Mundiais de Barcelona.

O lisboeta foi o melhor luso no Rio2016, mas quer mais, muito mais para Tóquio2020, sendo que os seus objetivos passam por estar em finais e mesmo discuti-las “olhando os atletas de topo cara a cara, diretamente nos olhos”.

“Esse vai ser o meu objetivo durante estes quatro anos, que serão muito importantes, com Europeus e Mundiais. É preciso começar a ter melhores resultados nestes para chegar à final e assim ser um candidato sério e não como aqui”, frisou.

Ainda assim, Alexis Santos está um pouco cético, pedindo “mais apoio aos atletas, mais condições de treino”, já que “é o que falta em Portugal”. No Rio2016, o nadador do Sporting superou-se, ao contrário dos restantes três representantes lusos na natação pura.

Como Alexis, Diogo Carvalho, do Galitos de Aveiro, também nadou os 200 metros estilos, mas foi apenas 19.º, ao ficar-se por 2.00,17 minutos nas eliminatórias.

Uma quebra na parte final impediu o ainda recordista luso na distância (1.59,39 minutos, a 31 de julho de 2013, em Barcelona) de conseguir um lugar no ‘top 16’.

No feminino, as estreantes Victor Kaminskaya (200 e 400 metros estilos) e Tamila Holub (800 metros livres) ficaram longe dos recordes pessoais nas respetivas provas.

Kaminskaya foi 35.ª, de 39, nos 200 metros estilos, com 2.16,78 minutos, mais dois segundos do que o seu recorde nacional (2.14,76), e 28.ª,de 33, nos 400, com 4.46,03, mais 4,50 do que o seu máximo luso (4.42,53).

Por seu lado, a júnior Tamila Holub, de 17 anos, foi 24.ª, em 27, nos 800 metros livres, com 8.45,36 minutos, ficando a 9,15 segundos do registo que, a 28 de maio de 2016, em Coimbra, lhe valeu os mínimos para os Jogos e o recorde nacional absoluto (8.36,21).

Conteúdo publicado por Sportinforma