Rio 2016

15-08-2016 17:41

Nélson Évora: "Vou lutar por uma medalha e prometo dar o meu melhor"

Nelson Évora recordou hoje que sempre disse estar em boa forma e prometeu que vai lutar por uma medalha, assegurando que ainda tem "mais dinamite" para dar na final do triplo salto dos Jogos Olímpicos Rio2016.
Nélson Évora:
Foto: © 2016 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

Nélson Évora: "Vou lutar por uma medalha e prometo dar o meu melhor"

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

"Eu sempre disse que estava em boa forma. Treinei muito e tive muito azar nas provas em que participei. Pode parecer um pouco dúbio o que estou a dizer, mas fui para a Holanda e apanhei chuva, fui para outros sítios e apanhei três ensaios. As novas regras da Diamond League não ajudam, são muito poucos ensaios para fazer acertos. Em casa não tinha a motivação certa, aqui reúne-se tudo. Estou em boa forma e posso pôr tudo em prática", começou por dizer, depois de se apurar para a final com um salto de 16,99 metros, a sua melhor marca do ano.

O campeão olímpico do triplo salto de Pequim2008 acredita que pode saltar na final de terça-feira mais do que fez na qualificação

"Hoje pus o pé bem longe e, como costumo dizer entre os meus amigos, tenho mais dinamite para dar", admitiu.

"Vou lutar por uma medalha. E prometo dar o meu melhor, como viram hoje foi até ao fim. O meu treinador disse que talvez nem fosse necessário, porque vamos ter muito pouco tempo de recuperação, mas eu fi-lo para poder sentir que tinha bons saltos nas pernas", disse, referindo-se à marca atingida no terceiro e último salto, que o deixou no quarto lugar entre 47 saltadores.

No seu regresso aos Jogos Olímpicos, após oito anos de ausência - uma fratura na tíbia afastou-o de Londres2012 -, Nelson Évora revelou ter sentido uma sensação espetacular: "Posso dizer-vos que foi bom sentir o sangue a ferver enquanto fazia os passos para os saltos e ao longo do primeiro e segundo ensaios senti que estava vivo. E no terceiro? Foi o Nelson que vocês estão habituados a ver."

Apurado para a final, o campeão Mundial de 2007 recusou que o seu salto de hoje tenha sido uma resposta a todos aqueles que não acreditavam que poderia voltar a discutir as medalhas em Jogos Olímpicos.

"É dedicado, principalmente, a todos os portugueses que estão comigo, que mandaram mensagens, que fizeram questão de apoiar toda a comitiva. Os outros também vão render-se e vão apoiar. Não há que estar contra ninguém na vida. Saltei com a alegria de estar ali na pista, de sentir o público a apoiar e foi espetacular sentir isso. Agora vou focar-me em descansar, repousar o melhor possível para amanhã", acrescentou.

Adaptado ao horário madrugador das competições no Rio2016, o atleta do Benfica disse estar a sentir-se bem e brincou, indicando que optou por não tomar Red Bull, nem nada com cafeína, reservando essa opção para a final.

Único dos saltadores da sua geração com presença na final, Nelson Évora assumiu a sua missão com orgulho.

"Vou tentar representar da melhor maneira a nossa geração. Sou dos poucos que ainda está ali a fazê-lo, por isso disse-lhes diretamente para eles levantarem a cabeça, porque são uns lutadores. Tiveram uma longevidade espetacular. Foram um exemplo para mim, vão ser para muitos outros", defendeu.

Évora, que preferia ter o cubano Pedro Pichardo, ausente do Rio2016 por lesão, na final, para, caso ganhe uma medalha, poder dizer que estavam todos os melhores, mostrou-se despreocupado com o norte-americano Christian Taylor, que hoje saltou 17,24 metros para ser primeiro.

"O Taylor saiu mais favorito, mas isso não me preocupa. Se posso ganhar-lhe? Ele tem duas pernas, dois braços e uma cabeça?", concluiu.

Conteúdo publicado por Sportinforma