Rio'2016

16-08-2016 07:10

Temer vai falhar a cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos

Presidente interino do Brasil falha cerimónia de encerramento.
Olympic Games 2016 Opening Ceremony
Foto: Lusa

Michel Temer foi vaiado pelo público ao declarar os Jogos Olímpicos abertos na cerimónia de abertura, a 05 de agosto.

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

O Presidente interino do Brasil, Michel Temer, não vai participar na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos 2016, no Rio de Janeiro, confirmou na segunda-feira à agência Lusa a secretaria de imprensa da Presidência.

Segundo a mesma fonte, a decisão segue "a tradição de que todos os Presidentes dos países que sediaram os Jogos Olímpicos, em geral, vão à abertura e não ao encerramento".

O evento que marca o encerramento dos primeiros Jogos Olímpicos da América do Sul está marcado para domingo à noite no Estádio Maracanã.

É esperada a presença do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, porque Tóquio acolhe a próxima edição do maior evento desportivo do mundo, em 2020.

Michel Temer, que assumiu interinamente os destinos do país a 12 de maio, na sequência da aprovação do pedido de ‘impeachment’ (destituição) da Presidente Dilma Rousseff, foi vaiado pelo público ao declarar os Jogos Olímpicos abertos na cerimónia de abertura, a 05 de agosto.

Antes, na mesma cerimónia, houve uma quebra de protocolo, quando apenas o nome do presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, foi anunciado, tendo em conta que na nota explicativa da cerimónia de abertura vinha a referência de que também o Presidente em exercício seria anunciado.

Segundo a assessoria da Presidência, espera-se que Michel Temer participe na cerimónia de abertura dos Jogos Paraolímpicos, a 07 de setembro, já depois do julgamento final de Dilma Rousseff, previsto para começar no dia 25 de agosto.

Dilma Rousseff é acusada de ter cometido crime de responsabilidade ao praticar manobras fiscais com a intenção de melhorar as contas públicas e assinar decretos a autorizar despesas que não estavam previstas no orçamento.

Se Dilma Rousseff for condenada nessa fase, será considerada culpada e perderá o direito de ocupar cargos públicos eletivos durante oito anos. Nesse cenário, Michel Temer assumirá plenamente a chefia do Estado até às próximas eleições.

O processo de afastamento de Dilma Rousseff dividiu a população brasileira, levando milhares às ruas.

Alguns dos manifestantes contra Michel Temer, visto pelos apoiantes da Presidente com mandato suspenso como "golpista", têm tentado passar mensagens políticas, aproveitando a visibilidade internacional dos Jogos Olímpicos.

No domingo, manifestantes contra a política do governo brasileiro tentaram perturbar a maratona feminina, mas foram intercetados pela polícia antes de prejudicarem a prova.

Conteúdo publicado por Sportinforma