Rio2016

19-08-2016 13:05

Halterofilista que perdeu medalha diz ter sido sabotado por francês

Izzat Artykov acusou o francês Bernardin Kingue Matam de o ter sabotado.
Izzat Artykov
Foto: LARRY W. SMITH / EPA

Izzat Artykov ficou sem a medalha de bronze que conquistou.

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O halterofilista Izzat Artykov disse esta sexta-feira que vai recorrer da decisão que lhe retirou a medalha de bronze nos Jogos Rio2016, depois de acusar ‘doping’, e referiu que terá sido sabotado por um adversário.

“Suspeito que o halterofilista francês [Bernardin Kingue Matam] misturou doping na minha comida ou bebida”, justificou o atleta, que viu o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) retirar-lhe a medalha alcançada nos -69 kg.

Artykov, que já se encontra no Quirguistão, acrescentou que irá recorrer da decisão, explicando que nunca se dopou e que conseguiu a terceira posição honestamente: “estou chocado com esta decisão”.

O atleta, a única medalha do Quirguistão no Rio2016, foi informado pelo Comité Olímpico Internacional (COI) que tinha acusado positivo para o esteroide estricnina.

A sua medalha acabou nas ‘mãos’ do quarto classificado, o colombiano Luis Javier Mosquera Lozano.

O halterofilista francês Bernardin Kingue Matam também abordou a situação, colocando em causa a legitimidade nas classificações no concurso de -69 kg, dizendo que seria pelo menos quarto (foi oitavo), porque os primeiros classificados “não estão limpos”.

Conteúdo publicado por Sportinforma