Jogos Paralímpicos

08-08-2016 19:13

Comité Paralímpico Russo vai recorrer da exclusão do Rio'2016

O organismo russo não se conforma com a decisão do Comité Paralímpico Internacional.
Former IAAF president Diack enabled corruption, WADA report says
Foto: Lusa

Os atletas paralímpicos russos estão impedidos de competir no Rio de Janeiro

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

O Comité Paralímpico Russo (CPR) anunciou hoje a intenção de recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) da exclusão da Rússia dos Jogos Paralímpicos Rio2016, na sequência do escândalo de doping organizado revelado num relatório.

Em conferência de imprensa, o presidente da CPR assegurou ainda que “nenhum outro comité paralímpico trabalhou tão ativamente como a Rússia num programa antidoping”. “Vamos reagir [à decisão de excluir a Rússia] por via judicial. Vamos recorrer para o TAS da decisão do Comité Paralímpico Internacional (IPC)”, declarou Vladimir Lukin.

“Se eles nos acusam de algo, devem concretizá-lo e formular a acusação de forma transparente. Não podemos excluir com base numa crença de que alguém faz parte de um sistema, mas sim quando se esse alguém for culpado de alguma coisa”, disse.

O IPC anunciou domingo a exclusão da Rússia dos Jogos Paralímpicos Rio2016, na sequência do escândalo de doping organizado revelado pelo ‘relatório McLaren’, feito a pendido da Agência Mundial Antidopagem.

“Suspendemos provisoriamente como membro o Comité Paralímpico da Rússia, pelo que, a equipa russa não competirá nos Jogos Paralímpicos Rio2016”, anunciou em conferência de imprensa, o presidente do IPC, Philip Craven.

Ao contrário do Comité Olímpico Internacional (COI), que ‘transferiu’ para as federações das modalidades a responsabilidade de autorizar a participação dos atletas russos nos Jogos Olímpicos, optou por uma solução mais radical, excluindo toda a comitiva dos Jogos Paralímpicos, que começam a 07 de setembro.

O relatório McLaren, divulgado a 18 de julho, confirmou a existência de um esquema de dopagem na Rússia, que contava com o apoio estatal e ‘vigorava’ desde 2011, inclusivamente durante os Jogos Olímpicos de Inverno Sochi2014.

Philip Craven, que classificou a medida anunciada domingo “como a melhor forma de defender os princípios do movimento paralímpico”, referiu que, nas amostras de Sochi2014, estão 44 de atletas paralímpicos.

O presidente do IPC solidarizou-se com todos os atletas paralímpicos ‘limpos’ que não participarão nos Jogos Rio2016, mas acrescentou: “Não tínhamos outra opção”.

A Rússia, que pode recorrer da decisão para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), no prazo de 21 dias, é uma das grandes potências do desporto paralímpico, tendo terminado os Jogos Londres2012 na segunda posição do quadro de medalhas, com um total de 102, das quais 36 de ouro, atrás da China.

Conteúdo publicado por Sportinforma