Motonáutica

20-09-2016 18:34

Mundial de fórmula 2 de motonáutica regressa a Baião 14 anos depois

A organização espera que a corrida possa ser vista por mais de 20.000 espetadores, que deverão encher as duas margens do Douro.
Motonáutica
Foto: ESTELA SILVA / LUSA

A autarquia espera uma grande afluência de espetadores, para além da promoção internacional do concelho.

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A etapa de encerramento do mundial de motonáutica, em fórmula 2, disputa-se em Baião, no rio Douro, a 8 e 9 de outubro, 14 anos depois da última prova internacional da modalidade realizada no concelho, revelou esta terça-feira a organização.

O Grande Prémio de Portugal de F2, que se vai disputar na albufeira da Pala, constituirá a última prova da temporada, anunciando-se a participação de duas dezenas de pilotos, incluindo o português Duarte Benavente, de 12 equipas de vários países.

Na apresentação aos jornalistas, hoje realizada numa unidade hoteleira de Baião, defronte para o local onde evoluirão as embarcações, recordou-se o sucesso da prova europeia de fórmula 4, disputada em 2002. Contudo, desde essa data, só foi possível promover corridas de âmbito nacional.

Para este ano, agora na segunda categoria mais importante da motonáutica mundial, a organização espera que a corrida possa ser vista por mais de 20.000 espetadores, que deverão encher as duas margens do Douro.

A organização da prova, que é liderada pelo Clube Náutico de Ribadouro, será constituída por cerca de 300 pessoas nas diversas áreas ligadas à segurança, equipas médicas e o 'staff' das equipas.

"Vai ser um grande espetáculo, com as embarcações a atingirem quase 200 quilómetros por hora", prometeu Mário de Sousa, presidente do clube, destacando a presença dos melhores pilotos do mundo da especialidade, entre os quais o detentor do título.

As embarcações desta categoria têm cerca de 200 cavalos de potência, para um peso inferior a 500 quilos.

A derradeira etapa do mundial de fórmula 2 desta temporada conta ainda com o envolvimento da 'Union Internacionale Motonautique' e da Federação Portuguesa de Motonáutica.

A Câmara de Baião e a Entidade Regional e Turismo do Porto e Norte de Portugal apoiam o evento.

Mário Gonzaga, presidente da entidade federativa, destacou hoje a importância dessa competição se realizar novamente em Portugal, constituindo o corolário do trabalho realizado desde 2012, na organização de provas nacionais, pelo Clube Náutico de Ribadouro.

O piloto Duarte Benavente exibiu hoje a sua embarcação aos jornalistas e assinalou a espetacularidade da pista desenhada nas águas do Douro, com cerca de 1.800 metros de perímetro. A reta mais longa terá 650 metros, contando-se ainda com cinco boias de viragem à esquerda e uma à direita.

"É um gosto enorme voltar aqui", disse, enquanto prometia "dar tudo" para obter uma boa classificação.

O presidente da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal, Melchior Moreira, destacou que o apoio prestado aos grandes eventos desportivos no norte do país, como o Rali de Portugal, o Mundial de Turismo (WTCC), em Vila Real, e o Mundial de Ralicross em Montalegre, são uma aposta com resultados positivos em termos de visibilidade dos destinos turísticos da região. O apoio à prova do mundial de motonáutica que vai ser disputada em Baião inscreve-se nessa estratégia, frisou.

O presidente da Câmara de Baião, Paulo Pereira, disse esperar uma grande afluência de espetadores, para além da promoção internacional do concelho.

Segundo o Município, as unidades hoteleiras da região já estão com a sua capacidade esgotada, nas datas da prova.

O autarca acrescentou que é sua intenção criar condições para que a prova do mundial regresse nos próximos anos.

Conteúdo publicado por Sportinforma