Kitesurf

14-05-2017 19:19

Matchú Lopes aceita receber passaporte diplomático cabo-verdiano

Matchú Lopes conquistou o título de campeão do mundo de kitesurf na disciplina de “wave e free style”, em outubro de 2016.
Matchu Lopes e Ulisses Correia e Silva
Foto: Reprodução Facebook

Matchu Lopes e Ulisses Correia e Silva

Por SAPO Desporto c/ Inforpress sapodesporto@sapo.pt

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva anunciou este sábado que o kitesurfista cabo-verdiano Matchú Lopes, campeão mundial em “wave & free style”, aceitou receber o passaporte diplomático de Cabo Verde e que o Governo já decidiu atribui-lo.

O anúncio foi feito pelo chefe do Executivo cabo-verdiano, através da sua página oficial do facebook.

Segundo ele, tudo aconteceu após ter tido uma conversa com o Matchú Lopes, um dia depois de o campeão mundial ter revelado à Rádio de Cabo Verde (RCV) que vai passar a representar as cores da Espanha em detrimento de Cabo Verde, alegando sentir-se “cansado e desiludido” com as autoridades nacionais “por incumprimento de promessas”.

“Foram desfeitos equívocos. Ele aceita receber passaporte diplomático. E o Governo já decidiu atribui-lo. Coloquei-lhe à vontade quanto ao melhor caminho que ele pretender escolher para o seu percurso desportivo. Se a sua decisão for no sentido de obter a nacionalidade espanhola e ter outras condições que CV não lhe consegue dar, nós não deixaremos de o apoiar. O importante é que ele é e será sempre o nosso campeão mundial”, lê-se.

Nas declarações à RCV, o kitesurfista explicou que a opção de ter nacionalidade espanhola tem a ver com o facto de sentir-se “abandonado depois de ter estado seis meses à espera de um passaporte diplomático e de um seguro para poder representar Cabo Verde”.

Matchú afirmou passar por uma ilusão que o deixa triste quando, a seu ver, “estava a pedir o mínimo a Cabo Verde para evitar tantas burocracias nas fronteiras nas viagens ao estrangeiro”, tendo assegurado que o processo para adquirir a nacionalidade espanhola está na fase final, e alertou as autoridades que “isto deverá servir de lição”.

Nove meses após a sua consagração a campeão do mundo, o atleta salense disse que pratica o kitesurf por paixão e não por interesse económico, mas que encontra na Espanha uma oportunidade para fazer a sua vida.

Lembrou ainda que neste momento deveria estar nas Canárias a preparar-se para grandes eventos internacionais.

Matchú Lopes conquistou o título de campeão do mundo de kitesurf na disciplina de “wave e free style”, em outubro de 2016, em Marrocos.

Uma semana depois viria a ser homenageado pelo Governo e distinguido durante a Gala do Desporto, realizada dezembro último, no Tarrafal de Santiago.

Conteúdo publicado por Sportinforma