Canoagem

18-05-2017 18:49

Taça do Mundo de Montemor-o-Velho serve de teste para os Mundiais

Organização da prova acredita que as expetativas são as melhores.
Portugueses preparam Jogos Olímpicos
Foto: PAULO NOVAIS

Montemor-o-Velho vai receber mais de 300 atletas

Por SAPO Desporto c/Lusa sapodesporto@sapo.pt

A organização da Taça do Mundo de Montemor-o-Velho, que de sexta-feira a domingo vai juntar uns 300 canoístas de 30 países, será um “derradeiro teste” à organização lusa dos Mundiais absolutos de 2018.

“As nossas expectativas enquanto organizadores são sempre as melhores. Portugal e a federação habituaram todos a grandes organizações, que começaram em 2012 com os Europeus júnior e sub-23. Temos organizado provas no Centro de Alto Rendimento (CAR) e este é o ultimo teste antes do grande desafio de 2018, que é o campeonato do Mundo da especialidade”, explicou o presidente, Vítor Félix.

Em declarações à Lusa, o dirigente estabeleceu como meta desportiva pelo menos repetir os oito pódios alcançados em 2016, também na Taça do Mundo e em Montemor-o-Velho.

“Habitualmente, em casa, perante o nosso publico, os nossos atletas excedem-se, têm cometido grandes proezas. Em 2016, foram oito medalhas, é de esperar que nestes três dias alcancem mais grandes resultados para a canoagem portuguesa”, vaticinou.

Portugal vai apresentar a mais ampla representação da sua história em provas da federação internacional, com 40 canoístas nas diversas distâncias.

Como as Taças do Mundo permitem duas tripulações na mesma prova, a federação vai apresentar, nestas situações, equipas com atletas sub-23, júnior e até cadetes, “a ver como se comportam em provas deste nível”.

Fernando Pimenta e Emanuel Silva, vice-campeões olímpicos em Londres2012 em K2 1.000, João Ribeiro, David Fernandes, Hélder Silva, Teresa Portela e Francisca Laia são os olímpicos portugueses em competição.

Esta é a primeira prova do ciclo olímpico Tóquio2020, com um programa remodelado que implica alterações no conjunto luso: o K4 masculino passou dos 1.000 para os 500 metros – Fernando Pimenta passa a fazer apenas K1 1000 e David Varela entra para o seu lugar na tripulação – enquanto nas canoas Hélder Silva vai ter de se adaptar dos 200 para os 1.000 metros.

“É prematuro estabelecer objetivos para a participação e medalhas para o ciclo olímpico. Vamos ter novos atletas e protagonistas. No fim desta época já podemos fazer uma avaliação. Importa é que a canoagem portuguesa cada vez que entra em competições internacionais apontam sempre ao pódio”, concluiu.

Entre os cerca de 300 atletas em Montemor-o-Velho vão estar vários campeões europeus, mundiais e olímpicos, com destaque para o alemão Sebastian Brendel e a neozelandesa Lisa Carrigton.

Conteúdo publicado por Sportinforma