Crónica de Elisabete Jacinto

12-01-2017 21:32

"Sol de pouca dura!"

A piloto portuguesa descreve aos utilizadores do SAPO Desporto as suas aventuras no mundo das corridas.
Elisabete Jacinto

Elisabete Jacinto

Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt

Ontem, quando desliguei o telefone, por volta das três da tarde, sentia-me contente. Invadidos por uma onda de entusiasmo dirigimo-nos ao quarto com pressa para organizar toda a bagagem e preparar tudo para a viagem. Fizemo-lo com a ânsia de quem não tem tempo a perder e, durante o processo, sentimo-nos bem. Em poucos minutos a actividade ficou concluída... Então fizemos o nosso plano de viagem, cálculos de tempo de caminho, de abastecimento, pesquisámos o horário dos barcos, consideramos imponderáveis... com tudo a correr bem chegaríamos a casa sábado... na pior das hipóteses domingo. Uff... que bom! Retomar a vida normal. Domingo para desempacotar... visitar a família... Segunda para iniciar a correria habitual!

O motivo de tanta animação foi a conversa com o motorista da Laso. Como era feriado em Marrocos e os camiões de carga não podiam circular, tinha feito a viagem de noite até Marraquexe. Estava à espera que o dia passasse e durante a noite chegaria a Ouarzazate, descarregaria pela manhã e, ao final da tarde, estaria seguramente ao pé de nós. Carregaríamos o camião e partiríamos sexta de manhã muito cedo. Acertaríamos com ele os últimos detalhes pois o ponto principal reside no facto de termos de passar a fronteiros juntos uma vez que a entrada do meu MAN em Marrocos está averbada ao meu passaporte. Muito cordial prometeu ir-nos informando sobre o desenrolar dos acontecimentos.


A manhã de hoje foi passando... cumprindo a sua promessa explicou-nos que chegou às seis da manhã ao maior parque de energia solar de Africa, situado em Ouarzazate...uma coisa realmente fantástica mas... não lhe descarregam o camião! Um problema de gruas. A tarde também já vai chegando ao fim e a esperança de apanhar o barco amanhã começa a desvanecer-se.


O Jorge já foi para casa, eu vou explorando a pé todo o espaço que circunda o hotel. Já conheço bem as dunas aqui detrás. O Marco vai "explorando" bem os filmes que passam na televisão e o Azevedo já sabe de cor o caminho para a cidade que faz a pé, de mobilete, de táxi, de boleia... várias vezes ao dia.


Apesar do frio, o sol continua a brilhar por aqui mas, como diz o ditado, o nosso entusiasmo foi "Sol de pouca dura!"... Vamos continuar à espera...sem saber quando voltamos para casa!

Opinião