Crónica Elisabete Jacinto

14-01-2017 16:50

O rali chega hoje a Dakar

Esta é a última publicação desta série das histórias de Elisabete Jacinto para o SAPO Desporto. Não é um adeus, mas sim um até já.
Elisabete Jacinto

Elisabete Jacinto, piloto portuguesa

Por Elisabete Jacinto sapodesporto@sapo.pt

Hoje termina o Rali Africa Eco Race. Os seus participantes concluem assim o último percurso cronometrado dando-se por concluído um dos grandes eventos desportivos da atualidade.
Perícia e eficácia de condução em terrenos variados, difíceis, desconhecidos, onde a velocidade máxima face às características do terreno é sempre o objetivo, constitui o pressuposto deste rali. A sua extensa dimensão, o elevado número de horas necessárias para concluir cada etapa, o excessivo esforço físico e a sua necessária gestão, a solidão, as condições climatéricas... E os problemas resultantes do cansaço, do desgaste do corpo e da mecânica, são apenas alguns dos ingredientes que tornam esta prova um grande desafio, um sonho de superação.
Sonho esse a quem se apresentam contas no dia de hoje, quando todos os participantes se agrupam na praia de Dakar à espera do sinal de partida para a última etapa. Talvez este seja o melhor momento do rali. Descontraídos, contentes, sorridentes cumprimenta-mos os outros concorrentes, fazem-se fotos, trocam-se endereços de e-mail, dão-se autógrafos nos mais variados sítios. Aos camiões amarra-se o mastro da bandeira do país e este é muito mais do que um gesto simbólico.
Interiormente, faz-se o balanço do que conseguimos fazer e do gostaríamos de ter feito. Uns sentem-se felizes e realizados, outros adiam para o próximo ano os objetivos não atingidos, fazem-se planos, projeta-se... sabe-se exatamente o que se tem de aperfeiçoar.
Não importa...o rali terminou e estar ali na praia é a grande recompensa. Este ano estão lá quatro portugueses que comemoram o seu feito e que publicarão orgulhosos a sua foto no pódio de chegada, junto ao Lago Rosa. Sim, nós também estamos orgulhosos por eles!

Opinião