19-10-2012 12:57

Lógica imperou em Freamunde

Benfica passou com clareza (4-0) obstáculo da Taça.

Por Rui Tovar sapodesporto@sapo.pt

   Não se esperava outra coisa. Mesmo com uma equipa meia B, sobretudo no sector defensivo, os encarnados chegaram perfeitamente para um Freamunde animoso, é certo, mas sem argumentos para contrariar o seu mais forte adversário. Era esta, de resto, a convicção inicial, que mais se enraizou ainda com o golo madrugador (16') de Lima, após canto de Carlos Martins.

   Conseguida a vantagem, controlar as operações passou a ser o propósito dominante do Benfica, enveredando então a equipa por uma toada mais repousada, tendo em vista já os próximos e importantes compromissos. Disso se aproveitou o conjunto da casa para "fazer pela vida", chegando por duas vezes a pôr à prova, na baliza, o veterano e simultaneamente estreante Paulo Lopes.

   Foi um período mais equilibrado que a partida conheceu, já que às acções de Cardozo e Lima, com C.Martins, no apoio directo, e Salvio e Nolito, nos flancos, responderam os locais com a habitual irreverência de Bock, bem acompanhado por Pedró e Cristophe. O "suspense", contudo, terminaria ao cair do pano da 1ª parte, quando Cardozo fez o 0-2, depois de um lance iniciado por...Paulo Lopes.

   Pôde então o Benfica sossegar no 2º tempo, permitindo a Jorge Jesus fazer descansar algumas unidades, que, em princípio, deverão ser titulares no jogo de Moscovo, para a Champions. Assim, C.Martins e, depois, Salvio e Lima sairam, mas nem por isso a equipa disso se ressentiu, já que os substitutos deram perfeita conta do recado.

   E se B.César e Rodrigo cumpriram sem surpresas, já o jovem André Gomes deu nas vistas pela desenvoltura e à-vontade de que deu mostras, culminando a chamada com o último golo da partida, isto depois de Salvio ter feito o 0-3, pouco antes da sua rendição. Entre estes dois golos de confirmação, Paulo Lopes teria ocasião de subscrever nova intervenção de muito mérito, cotando-se como um dos homens do jogo.

   Foi uma vitória indiscutível do Benfica, que, mesmo com uma equipa de recurso, se superiorizou claramente ao adversário. Já o Freamunde revelou qualidades nada condizentes com a posição que ocupa na Segunda Liga.

Opinião