Voleibol feminino

31-03-2017 23:35

Treinadores antecipam “equilíbrio” na Taça de Portugal

Os treinadores das equipas que marcarão presença na final a 4 da Taça de Portugal seniores femininos de voleibol antecipam uma competição "imprevisível e de muito equilibro".
Benfica bate de novo Fonte do Bastardo e fica a um triunfo do t
Foto: Agencia Lusa

Treinadores antecipam “equilíbrio” na Taça de Portugal

Por SAPO Desporto c/ Lusa sapodesporto@sapo.pt

A ideia dos representantes das equipas do Leixões, Atlético de Famalicão, Pedro Eanes Lobato e Ginásio Vilacondense foi hoje transmitida pelos intervenientes, numa conferência de imprensa conjunta de antevisão aos jogos que entre sábado e domingo se realizam no Pavilhão Municipal da Póvoa de Varzim.

Para Mário Martins, técnico do Leixões, que é a formação mais titulada no voleibol feminino nacional, e que, a par do Castelo do Maia, mais vezes venceu esta Taça de Portugal [oito vezes], pensar em favoritismo "é um erro".

"A Taça de Portugal é uma competição mágica e imprevisível, e ao representar um clube com uma grande tradição nesta competição, temos uma responsabilidade acrescida. Queremos vencer, mas temos a noção só o conseguiremos se formos competentes, porque não acredito em favoritismos, mas sim em estratégia e plano de jogo", vincou o treinador da formação matosinhense.

Já Rogério Paulo, técnico do Atlético de Famalicão, o atual detentor da Taça de Portugal, depois de bater, na época passada, o Porto Vólei 2014, por 3-1, espera que esta competição seja uma oportunidade para que grupo possa "dar continuidade ao trabalho que tem vindo a ser feito ao longo da época".

"Vimos com espírito liberto para conseguir um bom resultado. Sinto confiança no trabalho que as jogadoras fizeram com a anterior equipa técnica, e a nossa função é transformar isso em resultados e trabalhar muito numa final 4 que será equilibrada, e onde espero ter o pavilhão cheio", apontou o treinador do conjunto minhoto.

Já Nuno Maria, técnico do Pedro Eanes Lobato, a equipa que, vinda de Setúbal, fez a maior viagem até à cidade nortenha da Póvoa de Varzim, reconheceu que irá encontrar adversários "de patamares diferenciados".

"Já que chegamos até aqui, vimos para vencer. Sabemos das dificuldades, mas numa fase destas tudo é possível, e esperamos mostrar que apesar de sermos um clube formado do Desporto Escolar, fizemos, ao longo dos anos, um bom percurso, e isto é um prémio para o esforço das atletas", partilhou o treinador da equipa setubalense.

Por fim, Paulo Silva, treinador do Ginásio Vilacondense, que na cidade vizinha da Póvoa de Varzim joga praticamente em casa, lembrou que a sua equipa, a única representante do segundo escalão do voleibol nacional nesta final 4, "vai desfrutar com ambição esta oportunidade".

"Estamos muito orgulhosos de estarmos cá, e mesmo cientes das dificuldades e das diferentes realidades, chegando a esta fase tudo é possível. Vamos tentar e desfrutar, dar o nosso melhor e tentar surpreender", vincou o treinador da turma de Vila do Conde.

Em representação da Federação Portuguesa de Voleibol, organizadora, em pareceria com a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, desta Final 4, o secretário geral do organismo, Teodomiro Carvalho, apelou à presença do público para "premiar o longo percurso e esforço das equipas para chegarem até esta fase".

As quatro equipas começam este sábado a disputa do troféu, com duas meias-finais que vão opor o Atlético de Famalicão frente ao Ginásio Vilacondense, às 15:00, enquanto, às 18:00, o Leixões bate-se com o Pedro Eanes Lobato.

Os respetivos vencedores destas partidas vão medir forças na final, agendada para domingo, às 16:00, igualmente no Pavilhão Municipal da Póvoa de Varzim.

Conteúdo publicado por Sportinforma