A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) decidiu hoje suspender por 30 dias o presidente, Rogério Caboclo, acusado por uma funcionária de abuso moral e sexual, a cinco dias do arranque da Copa América.

A suspensão foi decidida pela Comissão de Ética, que convocou ainda uma reunião de emergência com todos os diretores para segunda-feira.

A polémica em torno de Caboclo acontece a uma semana do arranque da Copa América, que vai realizar-se no Brasil após as renúncias de Argentina e Colômbia, devido à pandemia de covid-19, que em território brasileiro causou mais de 472 mil mortes.

Caboclo nega todas as acusações por parte de uma funcionária da entidade, cuja denúncia oficial detalha o assédio moral e sexual em viagens e reuniões em que acompanhou o presidente.

Num dos incidentes reportados, o dirigente perguntou à denunciante se se masturbava, e noutro tentou forçá-la a comer um alimento destinado a cães.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto