O Governo português estará representado na Ucrânia, por ocasião do Campeonato da Europa de 2012, que o país organiza conjuntamente com a Polónia, excluindo “misturar” política e futebol, disse hoje à Lusa fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

«O Governo português entende que política é política e desporto é desporto. Independentemente da existência de questões relevantes sobre direitos humanos na Ucrânia, o Governo entende que estes assuntos não se devem misturar, nem devem ser tratados no mesmo plano», disse a fonte oficial.

De acordo com a mesma fonte, «o Governo está empenhado na participação portuguesa, deseja uma excelente campanha à seleção, mas não tem qualquer tipo de intenção de não se fazer representar nos jogos de Portugal, como tem sido habitual».

A chanceler alemã, Angela Merkel, já anunciou que não vai assistir ao primeiro jogo da Alemanha no Euro2012, frente a Portugal, em Lviv, na Ucrânia, a 09 de junho, se a ex-primeira-ministra ucraniana Iulia Timochenko, detida desde agosto de 2011, permanecer na prisão.

Após este anúncio, o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, juntou-se ao boicote, e a comissária europeia do Desporto, Andrulla Vassiliu, também anunciou a sua ausência de qualquer partida que se realize em solo ucraniano.

Iulia Timochenko iniciou uma greve de fome a 20 de abril, recusou ser hospitalizada e, mais tarde, acusou a polícia de agressão.

A líder opositora, detida desde agosto de 2011, foi condenada em outubro passado a sete anos de prisão por abuso de poder quando era primeira-ministra (2007-2010).

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.