O estatuto alcançado pelo lisboeta Pedro Proença, com a arbitragem da final da Liga dos Campeões em futebol, poderá ser confirmado durante o Campeonato da Europa de 2012, para o qual está entre os 12 nomeados.

Apesar de não ter uma crítica consensual, Proença é atualmente visto como a referência da arbitragem lusa, depois de se ter tornado no segundo português na final da mais importante prova europeia de clubes, ao repetir o feito de António Garrido, em 1980.

Aos 41 anos, o ponto alto da carreira do gestor financeiro lisboeta chegou a 19 de maio, no Allianz Arena, em Munique, onde arbitrou a vitória do Chelsea frente ao anfitrião Bayern, sem qualquer influência no resultado final.

Internamente, e após ter sido o primeiro classificado nas épocas de 2006/07, 2009/10 e 2010/11, a presente época de Proença começou de forma atribulada. O árbitro foi agredido no centro comercial Colombo, em Lisboa, a 08 de agosto de 2011, quando se preparava para jantar, depois de terminar o treino de ginásio, tendo sofrido ferimentos na boca e partido dois dentes.

«Há momentos na vida em que os atos de alguns energúmenos nos fazem refletir e equacionar se vale a pena lutar por tudo aquilo que consideramos justo e correto. Este pensamento invade-nos apenas por momentos, pois o único caminho a seguir é o da verdade, o da justiça e da equidade», escreveu, na altura, o árbitro lisboeta, na sua página na rede social na Internet Facebook.

Daí para a frente, a temporada só poderia melhorar e melhorou. Antes de saber, a 20 de dezembro de 2011, que o seu nome estava entre os 12 árbitros escolhidos para a fase final do Euro2012, dirigiu o encontro entre Sporting de Braga e Benfica, começando, depois, 2012 com o “clássico” entre Sporting e FC Porto.

Proença foi, aliás, o “preferido” dos órgãos responsáveis pela arbitragem para os jogos “grandes”, somando a nomeação para o “jogo do título”, entre Benfica e FC Porto, para voltar, no final da temporada, a arbitrar um encontro entre “leões” e “dragões”.

Mais exposto, foi também mais criticado, tendo mesmo sido alvo de um pedido do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, após o seu auxiliar Ricardo Santos não ter invalidado um golo irregular, por fora de jogo de Maicon, que deu a vitória aos “dragões” (3-2).

«O senhor Pedro Proença que deixe de apitar jogos do Benfica, se se sente condicionado. Era um favor que prestava a todos os benfiquistas e ao futebol», disse.

No entanto, internacionalmente, Proença, que recebeu as insígnias da UEFA em 2003 e estreou-se numa competição europeia do ano seguinte (três jogos no Europeu de sub-19, entre eles a final), tem tido presença regular em jogos europeus com destaque, além da final da “Champions” de 2012, para a meia-final da principal competição de clubes em 2011, entre Manchester United e Schalke 04, e para o jogo do “play-off” de qualificação para o Euro2012 que opôs a Turquia à Croácia.

No Euro2012, Pedro Proença terá como árbitros assistentes Bertino Miranda e Ricardo Santos, a dupla que habitualmente o acompanha, tendo Tiago Trigo como reserva e o portuense Jorge Sousa e o lisboeta Duarte Gomes como árbitros auxiliares adicionais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.