O primeiro-ministro António Costa esteve esta segunda-feira presente na Cidade do Futebol, em Oeiras, onde assistiu à parte inicial do treino da Seleção e veio declarar o seu apoio à comitiva que irá disputar o Euro2016.

"Vim aqui em nome do Governo desejar as maiores felicidades à nossa Seleção. Este tem sido um século de ouro da Seleção portuguesa em todos os Campeonatos Europeus. Com uma única exceção fomos sempre finalistas ou semifinalistas e esta seleção tem todas as qualidades para ser capaz de nos dar uma enorme alegria, indo mais além do que têm ido nos anos anteriores", afirmou o líder do Executivo aos jornalistas, à saída do reduto da equipa das quinas.

"Há uma grande fonte de motivação por todo o país e estamos muito confiantes na capacidade dos jogadores, na excelência da organização da Seleção e no grande profissionalismo com que está tudo a ser preparado e da capacidade do nosso técnico Fernando Santos. portanto, estamos todos a torcer. A partir de agora é "Portugal, Portugal, Portugal", porque é isso que é necessário para seguirmos em frente e dar uma grande alegria aos portugueses. Como está combinado com a Federação, o presidente da Assembleia da República estará presente no jogo inaugural, eu estarei no jogo com a Áustria e o senhor Presidente da República representar-nos-á a todos no jogo final da fase de grupos com a Hungria. Depois, estaremos os três, certamente, nos oitavos de final e nos jogos seguintes, até à final", explicou.

Confrontado com o discurso de ambição que tem marcado a Seleção, António Costa frisou que tal é "necessário". "Temos todas as razões para acreditar que Portugal é capaz, desde logo aqui no futebol, e acho que o discurso do selecionador é bastante realista quanto à qualidade humana dos nossos jogadores, sobre a qualidade técnica, sobre o profissionalismo e a capacidade organizativa da Federação. Agora falta a sorte que também é necessária para que as coisas corram bem. Temos todas as razões para estar confiantes", frisou.

Já sobre a pequena conversa com Ronaldo no relvado, em que o capitão da Seleção até ofereceu uma bola autografada pelos jogadores ao primeiro-ministro, António Costa tranquilizou os adeptos: "Ronaldo confortou-me, está em grande forma. Acho que isso é uma angústia que todos temos: se está ou não está em forma. Ele está em grande forma, portanto vamos ter um super-Ronaldo".

Por fim, o governante lembrou que a sua geração quer também 'ajustar contas' em França, depois da mágoa no Euro84, em que Portugal caiu no prolongamento das meias-finais, frente aos anfitriões. "Temos tido sempre várias gerações sucessivas com grandes jogadores. Desde 2000 até agora é que só não estivemos uma vez numa final ou meia-final, e em todos eles podíamos ter estado quase a ganhar. Relativamente a Europeus em França, a minha geração tem uma grande frustração para resolver desde 1984. Por isso, espero que seja desta vez que possamos vingar aquele golo aos 119 minutos do Platini, porque andamos muitos anos à espera dessa desforra", concluiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.