O selecionador de Portugal, Fernando Santos, considerou hoje que a equipa nacional ganhou o Campeonato da Europa de futebol "com mérito próprio", admitindo que, após a saída de Ronaldo do jogo, por lesão, teve de "mudar de estratégia".

"Acho que foi com mérito próprio. Desta vez não digam outra vez que foi demérito dos adversários, já cansa um bocadinho”, disse, em declarações à RTP na zona mista do estádio de Saint Denis, onde se disputou a final do Euro2016.

Na ocasião, Fernando Santos admitiu que a lesão de Ronaldo, que obrigou à substituição do capitão da seleção, forçou a uma mudança da "estratégia montada" para o jogo contra a França.

"Tivemos de mudar de estratégia. Tínhamos uma estratégia montada, tivemos que a mudar obviamente, sempre acreditando que podíamos controlar o jogo de alguma forma. Tínhamos que criar uma condição de jogo diferente, acho que conseguimos", declarou.

De resto, o técnico elogiou Ronaldo, que demonstrou uma "vontade tremenda", dentro e fora de campo.

"É um jogador que a qualquer momento pode resolver um jogo. Ele foi fantástico. A vontade dele era tremenda, ele tentou duas vezes [continuar em jogo] e não conseguiu. Mas depois foi tremendo aqui na cabine e no banco, foi um verdadeiro capitão na verdadeira aceção da palavra, mesmo não estando em campo. E, por isso, está de parabéns. Ele e toda a equipa”, sublinhou.

Fernando Santos confessou ainda ter sempre pensado que a final de Paris "podia ser muito importante para o Éder", autor do golo que deu a Portugalo título europeu.

"Sempre pensei que este jogo podia ser muito importante para o Éder. Não esperava que o Cristiano estivesse fora e, portanto, isso mudou um bocadinho. A minha aposta foi manter o Nani na frente e colocando Quaresma à esquerda. Mas, depois, a meio da segunda parte, entendi que Éder era o jogador que tinha de entrar, para segurar a bola na frente, tinha poder de choque. Quando eu o coloquei ele disse-me: ´vou fazer o golo´. E fez mesmo, está de parabéns”, confidenciou.

Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, foi também lembrado pelo selecionador nacional por ter "acreditado e confiado" num "momento difícil".

"Não era fácil e ele merece tudo o que aconteceu. Aos meus jogadores, aos portugueses pelo apoio que nos deram, que foi fortíssimo. Aos emigrantes, não os posso esquecer nunca”, salientou.

Portugal venceu a França por 1-0, com um golo de Éder no prolongamento e sagrou-se campeão europeu de futebol.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.