A seleção portuguesa de futebol terminou empatada no final dos 90 minutos os últimos seis jogos em Europeus, os cinco do Euro2016 e o derradeiro do Euro2012, edição em que caiu nas meias-finais.

Depois do triunfo por 1-0 sobre a República Checa, nos quartos de final do Europeu de há quatro anos, graças a um golo de Cristiano Ronaldo, aos 79 minutos, Portugal não mais chegou a perder ou a ganhar ao final do tempo regulamentar.

No Euro2016, a formação das ‘quinas’ chegou às meias-finais depois de cinco igualdades no final dos 90 minutos, que, a eliminar, Portugal transformou em triunfos, um no prolongamento e outro nas grandes penalidades.

A formação das ‘quinas’ fechou com um empate a zero com a Espanha o Euro2012, para cair nos penáltis por 4-2, e abriu o Euro2016 com três igualdades na fase de grupos, perante Islândia (1-1), Áustria (0-0) e Hungria (3-3).

Apurado como um dos quatro melhores terceiros, Portugal só logrou superar a Croácia no prolongamento, nos ‘oitavos’, após 90 minutos sem golos, e, nos ‘quartos’, venceu a Polónia por 5-2 nos penáltis, depois de uma igualdade a um tento.

Na fase final do Euro2016, a formação das ‘quinas’ esteve quase sempre empatada, mas, ainda assim, passou mais tempo em desvantagem do que na frente do marcador, o que só aconteceu durante 22 minutos e apenas em dois dos cinco jogos.

A seleção lusa liderou face à Islândia entre os 31 e os 50 minutos, do tento de Nani ao empate de Birkir Bjarnason, e frente à Croácia desde os 117, quando Ricardo Quaresma desbloqueou o ‘nulo’, até aos 120.

No que respeita a situações de desvantagem, são 64 os minutos de Portugal, que esteve a perder com a Hungria por três vezes, por 1-0 (23 minutos), 2-1 (três) e 3-2 (sete), e com os polacos dos dois aos 33, ao tento de Renato Sanches.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.