Portugal está nas meias-finais do Euro2016, depois de superar a Polónia nas grandes penalidades disputadas no Stade Vélodrome, em Marselha. A equipa das quinas foi exemplar, ao marcar todas as tentativas, enquanto a Polónia viu Rui Patrício negar o golo a Blazscikowski no quarto penálti. A Seleção Nacional repete assim a presença nas meias-finais, depois de similar proeza em 2012, e mantém vivo o sonho do título europeu.

Tal como no Euro84, Marselha voltou a apadrinhar um jogo épico e dramático de Portugal no Campeonato da Europa. A Seleção Nacional chegou ao final do prolongamento empatada a um golo com a Polónia, num embate duro e difícil no Stade Vélodrome a contar para os quartos de final do Euro2016.

Com duas novidades no onze - as entradas de Eliseu e Renato Sanches para os lugares de Raphael Guerreiro e André Gomes -, a Seleção Nacional entrou praticamente a perder no encontro desta noite, ao sofrer um golo logo aos dois minutos de jogo. Robert Lewandowski andava desencontrado com as balizas adversárias, mas precisou apenas de dois minutos para fazer o 1-0 para a Polónia. Cédric abordou mal uma desmarcação de Grosicki no flanco esquerdo e permitiu o cruzamento para o remate certeiro do goleador polaco no coração da área. Pior entrada era impossível para a equipa das quinas.

Com efeito, a formação orientada por Fernando Santos revelou muitas dificuldades na fase inicial do jogo para travar as transições rápidas e objetivas da Polónia, que rapidamente aproveitava as movimentações de Milik, Lewandowski e Grosicki.

Só a meio do primeiro tempo é que Portugal começou a assentar o seu jogo. Aos 30', surge o primeiro lance polémico do jogo, com o árbitro a não sancionar um empurrão de Pazdan nas costas de Ronaldo, o que daria uma grande penalidade a favor de Portugal. No entanto, a equipa não se perturbou e chegou mesmo ao empate três minutos depois. Numa boa combinação entre Renato Sanches e Nani, o médio de apenas 18 anos desferiu um forte remate de fora da área com o pé esquerdo e assinou o 1-1 na sua estreia a titular no Europeu. O jovem internacional português ditou o empate com que se atingiu o intervalo.

Para o segundo tempo pedia-se mais agressividade e rapidez à equipa das quinas. Porém, o primeiro aviso voltou a pertencer à Polónia. Uma vez mais, Lewandowski ganhou espaço e cabeceou no centro da área, mas o tiro saiu à figura de Rui Patrício.

A equipa de Fernando Santos começou lentamente a acertar novamente as marcações e entrou então na sua melhor fase do jogo. Ronaldo, Adrien e Cédric estiveram perto do golo, mas o crescimento da Seleção não teve consequências na finalização.

A Polónia passou a sentir mais problemas para sair nas suas transições rápidas, muito por culpa do maior acerto defensivo de Portugal, espelhado na boa atuação de Pepe. O selecionador nacional decidiu então refrescar a equipa e lançou João Moutinho e Ricardo Quaresma para os lugares de Adrien e João Mário.

Contudo, Portugal não foi capaz de encontrar o caminho para o segundo golo e foi para prolongamento diante da Polónia. No segundo tempo extra consecutivo, depois de uma situação semelhante ao jogo com a Croácia nos oitavos de final, a equipa das quinas não conseguiu desta feita marcar. A última aposta de Fernando Santos foi Danilo, ao entrar para o lugar de William Carvalho.

Sem golos ou inspiração, tudo ficou adiado para as grandes penalidades. Aqui, Portugal não falhou nenhuma - marcaram Ronaldo, Renato Sanches, João Moutinho, Nani e Quaresma - e sentenciou a passagem às meias-finais. Agora, segue-se Bélgica ou País de Gales, no dia 6 de julho, em Lyon.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.