Depois do guarda-redes Kasper Schmeichel e do avançado Martin Braithwaite foi a vez do selecionador dinamarquês Kasper Hjulmand defender os seus jogadores e reforçar que os mesmos só voltaram a jogar devido à pressão da UEFA.

Em conferência de imprensa, o selecionador da Dinamarca salientou que "é completamente errado dizer que os jogadores queriam jogar" depois do que aconteceu a Eriksen.

"A situação foi absolutamente clara. Foram-nos apresentadas duas opções. Ou jogávamos na mesma noite, ou ao meio-dia do dia seguinte. Achámos complicado lidar com isso", admitiu Kasper Hjulmand.

Saiba tudo sobre o Euro2020: fotos, vídeos, infografias, notícias e reportagens.

"Pode dizer-se que não fomos pressionados, mas sentimos que fomos pressionados. Tivemos esse dilema. Estava fora de questão termos escolha entre dois cenários que considerávamos errados. A verdade é essa. Tudo o resto não corresponde à verdade", acrescentou.

A história dos irmãos que salvaram a vida a Eriksen
A história dos irmãos que salvaram a vida a Eriksen
Ver artigo

Por fim, o selecionador dinamarquês lembrou ainda que, em caso de covid-19, os jogos podem ser adiados. "Se fosse um caso de Covid-19, podíamos adiar o jogo por 48 anos, mas, com um problema cardíaco, isso não é possível", lamentou Hjulmand.

Recorde-se que Eriksen teve uma paragem cardíaca e esteve clinicamente morto alguns segundos, sendo reanimado com desfibrilhador, revelou após a partida Morten Boesen, médico da seleção dinamarquesa.

O jogo foi inicialmente suspenso pela UEFA, mas recomeçou cerca de duas horas depois, após Eriksen dizer aos seus colegas que estava bem. A partida terminou com a vitória finlandesa por 1-0.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.