Depois do encontro entre Noruega e Gibraltar, no passado dia 7 de setembro, algo chamou à atenção: nenhum dos jogadores de Gibraltar tentou sequer ficar com a camisola de Haaland, que nessa partida apontou um 'hat-trick'.

Agora, dias depois, Reece Styche, avançado de Gibraltar veio explicar o porquê da falta de interesse dos seus colegas em ter a camisola do norueguês, uma história que começou a ser escrita em março, quando a Noruega visitou Gibraltar.

"Em março, Roy Chipolina, o nosso capitão, pediu a camisola a Haaland quando nós jogámos em Gibraltar. A Noruega tinha vencido por 3-0, mas Haaland não marcou e foi substituído após uma hora e estava mal-humorado", começou por contar ao jornal inglês 'The Sun'.

O momento que levou ao mal estar aconteceu depois das habituais entrevistas pós-jogo, quando o capitão de Gibraltar pediu a camisola ao avançado do Borussia Dortmund.

"Depois de terem dado entrevistas às televisões, o Roy disse-lhe: 'O meu filho é um grande fá teu, importavas-te que trocássemos camisolas?'. O Haaland so olhou para ele, riu-se e foi-se embora. Ele pode comprar muita coisa, mas não pode comprar classe. Talvez o destaque que tem nos medio lhe tenha subido à cabeça", recordou.

"Teve a oportunidade de fazer o dia, o mês, o ano a um rapaz e disse que não. Por isso, ninguém quis a sua camisola em Oslo", concluiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.