Samuel Eto'o, antigo avançado camaronês, marcou presença, esta segunda-feira, da gala Aspire Global Summit, realizada em Doha, no Qatar, onde recordou alguns momentos especiais da sua carreira de futebolista.

O ex-jogador não esqueceu José Mourinho, treinador que o orientou no Inter de Milão e com quem conquistou a Liga dos Campeões.

"Deixou-me um mês no banco e punha-me a aquecer nos descontos. Na cabeça dele, estava a picar-me para me ter na mão. Falei com ele quando saiu. Era aquilo que ele queria de mim, que recuperasse o meu nível. E foi o que fiz. Ganhámos tudo. Tínhamos uma equipa de onze guerreiros e vencemos de outra maneira", relembrou, citado pelo jornal espanhol "As".

Samuel Eto'o falou também de Pep Guardiola, afirmando que aprecia o espanhol como treinador, não tanto como pessoa.

Estou encantado por ele como treinador, não como pessoa. Com ele, aprendi a jogar futebol. Interpretava-o melhor do que ninguém. Naquele Barcelona, dizia a Ronaldinho quando entrávamos em campo 'Vamos jogar e ver quem faz mais túneis'. Éramos muito superiores", recordou Eto'o.

Questionado sobre quem foi o melhor treinador com quem trabalhou, o ex-internacional camaronês falou de Luis Aragonés, , recordando uma conversa que manteve com ele no ano de 2000.

"Foi uma conversa que me mudou a vida. Ele disse-me que tinha feito tudo no Maiorca e que fosse para outra equipa para ver qual era o meu nível real. Naquele momento, pensei 'Mas o que é que este velho está a dizer?'", atirou.

"O Luis tinha muita personalidade, mas sabia jogar com ela. Lembro-me de quando quase me deu uma cabeçada em Saragoça. No dia seguinte, disse-me que, efetivamente, me queria acertar. Era como um pai. Seria uma grande honra aproximar-me dele como treinador", concluiu o antigo futebolista.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.