Um final de época em ‘grande’ no Real Madrid, com 16 golos nos últimos 10 jogos, decisivos para as vitórias na ‘Champions’ e Liga espanhola, valeram ao futebolista português Cristiano Ronaldo o prémio ‘The Best’ da FIFA.

Depois dos triunfos em 2008, 2013, 2015 e 2016, o ‘capitão’ da seleção lusa soma o terceiro triunfo consecutivo e iguala as cinco conquistas FIFA do argentino Lionel Messi, que, sem títulos coletivos de ‘peso’, voltou a ser segundo.

Entre 20 de novembro de 2016 e 02 de julho de 2017, período a votação - que fechou 07 de setembro, tornando o prémio num galardão para 2016/17 -, Ronaldo sagrou-se campeão do Mundo, da Europa e de Espanha pelos ‘merengues’.

Os títulos pesaram, certamente, tudo, ou quase tudo, na altura em que treinadores, jogadores, jornalistas e público foram chamados a voltar e se ‘inclinaram’ para o ‘7’ do Real Madrid, que no período a votação marcou 39 golos, em 40 jogos, o mesmo registo do argentino do ‘Barça’.

Os golos do futebolista luso valeram, porém, vários títulos, nomeadamente o principal, a Liga dos Campeões, prova que Ronaldo terminou com 12 golos, marca suficiente para se sagrar, pela quinta vez consecutiva, o melhor marcador.

A ‘saga’ de Ronaldo teve início a 12 de abril, com um ‘bis’ em Munique, que selou o triunfo por 2-1 sobre o Bayern, na primeira mão dos quartos de final.

Seis dia depois, o português fez ainda melhor, ao lograr um ‘hat-trick’ no Bernabéu, onde os ‘merengues’ só se superiorizaram aos bávaros no prolongamento. Dois dos tentos foram apontados em fora de jogo, mas a UEFA ainda não adotou o VAR.

No jogo seguinte, Ronaldo foi claramente batido por Messi, em plena capital, onde o argentino ‘bisou’ e marcou, na última jogada, golo da vitória do FC Barcelona (3-2), relançando, então, o campeonato espanhol, mas o português não se foi abaixo.

Depois de marcar um golo na receção ao Valência, decidiu praticamente as meias-finais da ‘Champions’ no embate inicial, com um ‘hat-trick’ na receção ao Atlético de Madrid (3-0). O 1-2 fora já não desviou os ‘merengues’ de Cardiff.

Até à final da ‘Champions’, Ronaldo ‘bisou’ nas vitórias sobre Sevilha (4-1 em casa) e Celta de Vigo (4-1 fora) e marcou o golo inaugural em Málaga (2-0), contribuindo decisivamente para o título espanhol dos ‘merengues’, e o seu segundo, em oito épocas.

No País de Gales, o ‘7’ voltou a ser a principal figura dos madrilenos, ao ‘bisar’ face à Juventus. Inaugurou o marcador, aos 20 minutos, e, aos 64, apontou o 3-1, depois de Mandzukic igualar e Casemiro recolocar o Real Madrid na frente. Asensio sentenciou.

Em 10 jogos, Cristiano Ronaldo totalizou, assim, 16 golos, sendo que, pela seleção, até ao final da época, ainda marcou mais quarto - em cinco encontros -, dois na Taça das Confederações, prova em que Portugal caiu nas meias-finais, face ao Chile, no desempate por penáltis (0-3, após 0-0 nos 120 minutos).

Para as contas do ‘The Best’ 2016/17 entra igualmente o Mundial de clubes de 2016, que também teve no português a grande figura, com um ‘hat-trick’ na final, face aos japoneses do Kashima Antlers (4-2 após prolongamento), que quase embaraçaram os ‘merengues’.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.