Karl Heinz Rummenigge, presidente da Associação de Clubes Europeus, quer introduzir medidas no atual formato da Liga de Campeões para que os clubes ditos grandes só se defrontem nos quartos-de-final.

O dirigente disse que vai pedir a UEFA que mude ao atual sistema de designação dos cabeças-de-série nos sorteios da Champions a partir de 2018.

"Não faz sentido termos um Bayern Munique-Juventus ou um Chelsea-PSG nos oitavos-de-final e, ao mesmo tempo, jogos em que, sem querer ofender ninguém, nem valia a pena vê-los na televisão", disse Rummenigge, após ver o seu Bayern afastar a Juventus.

O alemão, que é também dirigente do Bayern Munique, explicou que a ECA (Associação de Clubes Europeus, em português) vai propor uma série de medidas à UEFA para que as mesmas entrem em vigor a partir de 2018, que é quando finaliza o atual ciclo e altura em que o organismo deverá renovar o acordo com os clubes.

Os ´grandes` clubes europeus querem mais dinheiro e querem também eliminar a regra dos campeões, que permite a que clubes de federações medianas cheguem até a fase a eliminar da Liga dos Campeões.

A Associação de Clubes Europeus defende que os clubes ditos grandes devem ter garantidas da sua presença nas fases finais da Liga dos Campeões, algo que também vai de encontro ao desejo das cadeias de televisão, que investem muito dinheiro na prova e depois deparam-se com jogos como Gent-Wolfsburgo ou Benfica-Zenit, partidas que não têm tanto interesse como um Juventus-Bayern.

Caso estas medidas da ECA não sejam aprovadas pela UEFA, a Associação de Clubes Europeus pode mesmo avançar para a criação da Superliga Europeia, competição que deverá englobar os maiores clubes europeus da atualidade. A ECA quer que esta nova competição seja organizada pela UEFA mas com duas divisões: desapareceria a Liga Europa e os principais clubes dessa prova passariam a englobar uma espécie de segunda divisão da Liga dos Campeões.