Nem só de entradas e saídas de jogadores e técnicos se vive a pré-epoca futebolística. Esta é aquela altura do ano em que os clubes aproveitam também para dar a conhecer os novos equipamentos para a nova época. Um dado que ganha cada vez mais importância para os departamentos de marketing dos clubes, que tentam atrair a atenção dos adeptos.

Neste ponto, há clubes que vão mais longe na inovação. Foi o caso do Wycombe Wanderes. O clube da League 2 de Inglaterra, referente à quarta divisão do futebol inglês, tentou chamar a atenção ao apresentar um excêntrico equipamento para os guarda-redes. Uma camisola que se destaca pelo efeito visual de um caleidoscópio, a servir de apoio ao patrocínio de uma marca de gelados, mas também com outros propósitos.

O criativo da ousada indumentária é Barry Richardson, treinador de guarda-redes do próprio clube, fundado em 1887 e sediado na cidade de High Wycombe, na região de Buckinghamshire, no sudeste inglês.

"Queria criar um alvo na área que atraísse atenção dos adversários. Na atualidade os guarda-redes são bem maiores do que eram há uns tempos, por isso achei que fazia sentido desenhar uma camisola com brilho e cores garridas para tornar o guarda-redes ainda maior", explicou o autor.

Uma ideia que saiu da infância Barry Richardson.

"Lembro-me de ter um quando era pequeno, de olhar lá dentro e sentir os meus olhos atraídos para o centro. Com todas aquelas cores brilhantes, podíamos ver os desenhos de forma periférica, mas olhávamos sempre para o centro", disse.

Ora nos treinos da equipa, Richardson já conseguiu provar que o equipamento tem efeito nos avançados.

"O que os avançados disseram logo é que nem olhavam para os guarda-redes, que não se distraíam com a camisola. Era a resposta que queríamos, mostra que já estamos a afetar as cabeças deles. Eles ficaram a pensar nisso", atirou.


Mas será que os atacantes dos adversários vão mesmo ficar afetados com este equipamento? É ver para crer, quando começar os jogos, ´a doer`.

*O efeito caleidoscópio é um efeito geralmente criado por um objeto chamado caleisdoscópio. Este objeto é um aparelho formado por um pequeno tubo de cartão ou de meta, com pesquenos fragmentos de vidro colorido que, através de um reflexo de luz exterior em pequenos espelhos inclinados, cria, a cada movimento, várias combinações de cores e agradáveis ao olho humano.