“Em parte tem desiludido, porque ainda não ganhou nenhum jogo. Não ganhar nenhum jogo, para todas as selecções com algum potencial, é sempre uma desilusão”, afirmou o extremo luso, que joga em Inglaterra desde 1997/98.

Hoje, na terceira e última ronda do Grupo C, a selecção inglesa, comandada pelo italiano Fábio Capello, joga todas as aspirações diante da Eslovénia, líder da “poule”, enquanto a Argélia defronta os Estados Unidos.

“Ainda pode chegar lá. As coisas não têm corrido como o ‘mister’ Capello tinha planeado. Mas, sem dúvida, ainda podem chegar lá”, sublinhou.

Após dois empates, primeiro, frente aos Estados Unidos (1-1) e, depois, perante a Argélia (0-0), a Inglaterra garante o apuramento se vencer a Eslovénia e, a partir daí, pode tornar-se um adversário indesejável.

“Se vão continuar em prova ou vêm para casa, a Deus pertence. Agora, se passarem à fase seguinte, são uma equipa a ter em conta”, referiu.

Boa Morte justifica estes resultados menos conseguidos com o maior equilíbrio entre as várias selecções, apontando os casos das detentoras dos títulos europeus e mundial.

“Os resultados da Suíça, a ganhar à Espanha, e Nova Zelândia, a empatar com a Itália, provam que não há equipas teoricamente com menor valor e que o futebol está a ficar muito equilibrado, seja em que parte do Mundo for”, concluiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.