A Itália está a 45 minutos de dizer adeus ao Mundial 2010. De campeões do Mundo em 2006, na Alemanha, a possível desilusão em 2010. O cepticismo que rodeava a Squadra Azzurra parece ter contagiado os próprios jogadores, por mais que Marcello Lippi tente lutar contra esse sentimento.

O seleccionador italiano chamou hoje Di Natale e Gattuso ao onze, numa aposta na experiência e sabedoria transalpinas, mas as trocas ainda não surtiram qualquer efeito.

De facto, foi a Eslováquia quem entrou melhor. Com uma atitude muito positiva, os estreantes no Campeonato do Mundo cedo ameaçaram a baliza de Marchetti e Hamsik esteve perto do golo logo nos primeiros minutos.

Enquanto os campeões do Mundo exibiam a sua desorientação no campo, Hamsik e companhia apresentavam um futebol alegre e dinâmico, sempre virado para o ataque.

Não foi por isso uma surpresa quando Vittek, aos 25’, inaugurou o marcador. O avançado eslovaco aproveitou um erro pouco habitual na defesa italiana - mau passe de De Rossi – e finalizou com classe.

A hegemonia eslovaca continuou após o golo e os italianos não pareciam capazes de reagir à desvantagem. E o choque podia ter sido ainda maior se o tiro de Kucka nos descontos da primeira parte tivesse entrado na parte de dentro da malha lateral…

Restam 45 minutos à Itália para evitar uma catastrófica eliminação na fase de grupos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.