Dezoito equipas receberam a visita dos delegados médicos da FIFA ainda antes de chegarem a solo sul-africano e os outros 14 já foram controlados na África do Sul.

No total, antes e durante o Mundial2010, a FIFA efectuará um total de 512 controlos anti-doping, de sangue e urina, sendo que após os jogos serão sempre controlados dois futebolistas de cada equipa, escolhidos por sorteio.

Segundo o presidente da Comissão Médica da FIFA, Michel D’Hooge, o facto de não se registarem controlos positivos desde 1994 (Diego Armando Maradona) mostra que “não há cultura de doping” neste desporto.

“Fazemos 40 000 controlos por ano e existe o efeito medo da polícia. Os jogadores sabem que podem ser controlados. O futebol não é um desporto só físico, mas também técnico e de estratégia”, frisou D’Hooge.

De acordo com o médico da FIFA, “não se pode dizer que não haja doping no futebol, mas sim que não há cultura de doping”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.