“Tentámos convencê-los de que o que se passava era uma aberração, uma estupidez sem nome. É preciso acabar com a palhaçada. De qualquer maneira, não cauciono estas atitudes”, afirmou Raymond Domenech.

Os jogadores franceses recusaram treinar-se no domingo em protesto contra a exclusão do grupo do avançado Anelka, depois de ter sido noticiado que o avançado do Chelsea insultou o treinador no intervalo do encontro com o México, e hoje treinaram sem os logótipos dos patrocinadores.

“A sanção contra Anelka é justificada. Ninguém tem o direito de se comportar daquela forma e apoio a decisão tomada pela federação francesa. A primeira sanção foi desportiva porque o substitui ao intervalo, a segunda foi administrativa”, continuou Domenech.

A França, vice campeã do Mundo, tinha empatado sem golos diante do Uruguai e perdeu depois, por 2-0, frente ao México, na segunda ronda do Grupo A, que conta ainda com a anfitriã África do Sul, próxima adversária dos “bleus”, na terça-feira.

Domenech precisou ainda que só leu o comunicado dos atletas à Comunicação Social porque era preciso “fazer qualquer coisa”, após “45 minutos de conversações no autocarro”.

“Os franceses que seguiam aquilo em directo tinham o direito de saber o que se passava. Li o texto e fui-me embora. Em nenhum momento caucionei o documento”, afirmou.

O capitão Evra não esteve presente na conferência de imprensa e Domenech justificou o facto de se apresentar sozinho no ato com as atitudes injustificáveis dos jogadores.

“Tudo o que possam dizer não teria sentido, o que conta é o seu comportamento e eles devem mostrá-lo em campo”, explicou Domenech.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.