“A minha equipa demonstrou estar com o terror nas pernas, na cabeça e no coração e não jogou como devia. E se isso aconteceu foi porque o seleccionador não a preparou devidamente”, adiantou Lippi, que há quatro anos havia levado os transalpinos ao título.

O treinador assumiu a responsabilidade de não ter conseguido preparar a equipa física, táctica e psicologicamente e afirmou estar desapontado, pelo que pediu desculpas aos jogadores, à federação e aos italianos.

Lippi despediu-se desejando felicidades ao seu sucessor, mas desagradado com a forma como terminou a ligação à selecção. “Nunca disse que iria ser campeão, mas gostaria de ter feito algo diferente”.

Por seu lado, Vladimir Weiss, selecionador da Eslováquia, considerou o apuramento para os oitavos de final como “histórico” e afirmou que o dia de hoje é o mais feliz após o nascimento do filho, o jogador Vladimir Weiss Jr.

“Todos os eslovacos estão felizes e hoje é um dia fantástico para nós. Antes do jogo estávamos sob grande pressão, mas tínhamos estudado bem a equipa italiana”, argumentou o treinador.

A satisfação era enorme: “Estou muito orgulhoso. Todos os jogadores jogaram ao mais alto nível durante 80 minutos, num jogo difícil, contra o campeão. Sofremos muita pressão no último quarto de hora, mas a equipa aguentou”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.