“Jogámos uma partida muito difícil. O mais importante foi termos conseguido passar. Provavelmente, o jogo perfeito ainda está para vir. Temos de jogar melhor contra o Brasil ou o Chile, isso de certeza”, afirmou o avançado do Bayern de Munique, referindo-se aos possíveis adversários dos quartos de final.

O seleccionador da Holanda destacou o golo marcado por Robben, pela primeira vez titular, depois de uma lesão, mas também o desempenho do guarda-redes Stekelenburg, sublinhando o facto de a sua equipa ter quatro vitórias em outros tantos desafios disputados.

“Numa altura crucial, Stekelenburg salvou-nos. Tivemos uma boa primeira meia hora e começámos bem a segunda parte. Podíamos ter marcado dois, três, quatro golos nessa altura, mas, em vez disso, ficamos à mercê da recuperação dos eslovacos. O nosso guardião foi fantástico, com duas defesas determinantes”, reconheceu o técnico Bert van Marwijk.

O seleccionador da Eslováquia elogiou o adversário, afirmando que seguiu em frente a melhor equipa, mas também lembrou que o seu conjunto teve oportunidades de golo para discutir a partida.

“Jogámos com coração e coragem e estamos orgulhosos do nosso papel, de termos chegado até aqui à segunda fase, mas apurou-se a melhor equipa.

Perdemos diante de uma grande equipa, com experiência, bom futebol e jogadores de grande nível. Robben é um génio. A Holanda fica 50 por cento mais poderosa come ele”, afirmou Vladimir Weiss.

Após o tento marcado por Robben, aos 18 minutos, Wesley Sneijder aumentou a vantagem holandesa, aos 84, enquanto Robert Vittek estabeleceu o 1-2 final, na última jogada do embate disputado no Estádio Moses Madhiba, em Durban.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.