O médio do Inter de Milão Dejan Stankovic comete domingo a proeza de alinhar em três Mundiais em representação de três países, agora a Sérvia, depois da Jugoslávia (1998) e da Sérvia e Montenegro (2006).

Natural de Belgrado, Dejan Stankovic viveu o turbilhão político dos Balcãs e, é por isso, que sente a primeira representação da Sérvia, por si só, num Mundial, com “extrema emoção”.

“Vai ser um jogo histórico para o futebol sérvio”, disse o jogador, numa alusão ao confronto de domingo com o Gana, que, curiosamente, até é treinado por um sérvio.

Também Radomir Antic, selecionador da Sérvia e sérvio de nacionalidade, falou na importância do jogo de estreia no Mundial de 2010, na África do Sul.

“Estar aqui como nação independente, pela primeira vez na história, ainda nos dá mais motivação e força”, explicou.

Do lado do Gana, o sérvio Milovan Rajevac falou dum “jogo especial”, já que, do lado de lá, estará o seu país de origem.

“Não é uma situação fácil, é verdade, mas eu sou profissional e apenas posso pensar em vencer”, disse.

Milovan Rajevac abordou também a ausência do lesionado Michael Essien, a grandes figura do Gana.

“Lamentamos que não esteja e sabemos da sua importância. Mas que fazer agora? O Mundial também perde com a sua ausência”, disse o seleccionador da equipa vice campeã africana.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.