O governo do Estado do Rio de Janeiro anulou o segundo jogo de teste que deveria acontecer a 15 de maio no Maracanã, antes da inauguração oficial do estádio, a 2 de junho, noticia hoje a imprensa brasileira.

De acordo como diário desportivo Lance, os responsáveis dos trabalhos de renovação do estádio, tendo em vista a Taça das Confederações 2013 e o Mundial de 2014, deram a conhecer que não era «possível terminar os trabalhos de finalização para um jogo com o máximo de capacidade de público».

Este segundo teste deveria disputar-se perante 40 mil adeptos, ou seja 50 por cento da capacidade do estádio mais célebre do Brasil, onde vão ser disputadas as finais da Taça das Confederações 2013 e, especialmente, da Taça do Mundo.

O primeiro jogo de teste, entre duas equipas compostas com os antigos internacionais brasileiros Ronaldo e Bebeto, realizou-se em 27 de abril, perante 25 mil espetadores, cerca de 30 por cento da capacidade do recinto, que está fechado há mais de dois anos, para trabalhos completos de renovação, orçados em 850 milhões de reais (330 milhões de euros).

O próximo jogo previsto para o Maracanã vai opor seleções do Brasil e Inglaterra, a 2 de junho, perante uma assistência prevista de mais de 78 mil espetadores.

A FIFA esperava que fossem realizados três testes, entre os quais o jogo entre as seleções, que seriam organizados antes de o estádio acolher a Taça das Confederações, a disputar entre 15 e 30 de junho.

O secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, reconheceu no em abril que «todos os preparativos de organização não iam estar prontos a 100 por cento» para a Taça das Confederações.

A renovação do Maracanã que, segundo o governo do Rio de Janeiro, está 97 por cento concluída, mas sofreu vários contratempos, tais como uma greve dos trabalhadores e fortes chuvas, que atrasaram a colocação do relvado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.