Os atletas franceses a competir nos Jogos Europeus Universitários, que arrancam hoje em Coimbra, vibraram hoje com a vitória da França no Mundial2018 de futebol, enquanto os croatas se mostraram “orgulhosos” da prestação da sua equipa.

Da festa francesa à desilusão croata

Após a vitória por 4-2 da França sobre a Croácia, na final do torneio, em Moscovo, os franceses festejaram junto à Universidade de Coimbra, onde pelas 21:00 arranca a cerimónia de abertura dos Jogos, que decorrem até 28 de julho.

“Ao início foi muito, muito stressante. Aqueles primeiros 20 minutos... Mas depois foi muito bom, controlámos o jogo”, começou por dizer à Lusa Anaelle Bonot, atleta de ténis de mesa adaptado da Universidade de Le Havre, que nasceu precisamente no ano do primeiro título, em 1998.

Segundo a francesa, de 19 anos, o resultado pode mesmo “inspirar” a comitiva de várias instituições de ensino superior francesas presentes, que “agora também querem muito ganhar”, e a comitiva não se fartou de entoar cânticos e de celebrar a vitória bem para lá do apito final.

Os franceses viram o jogo na praça junto à Igreja de Santa Cruz, ao lado de vários atletas croatas, e Adrien Ecuyer, vestido com uma camisola de Antoine Griezmann, elogiou o “grande ambiente” vivido.

“Vibrámos muito, mas também os adeptos da Croácia. São excelentes, deram-se bem connosco e não pararam de cantar e torcer pela sua seleção”, atirou Lallemand, que não escondeu estar “muito feliz” com o segundo título mundial.

Já Guillaume Pedrona, do Licée Dumont D’Urville, em Toulon, ainda não era nascido aquando do triunfo em 1998, e estava “muito orgulhoso” da “boa prestação” francesa, que pode bem vir a dar frutos em futuros torneios, como o Euro2020.

“Se conseguimos ganhar isto, e se continuarmos a trabalhar bem, então podemos perfeitamente ganhar mais títulos”, assegurou.

Em contraste, a croata Ana Rajic, andebolista a representar a Universidade de Rijeka, estava “triste por não terem ganhado o título”, mas ainda assim “orgulhosa pelo segundo lugar, um grande resultado para o país”.

A colega de equipa Ana Paurevic, por sua vez, destacou o “trabalho excelente” da seleção de Zlatko Dalic, e considerou que as boas prestações vão “ajudar imenso na promoção do país”.

“Sem dúvida, é uma grande ocasião para o nosso turismo. Mas não sei o que poderá acontecer noutros setores”, completou Ana Rajic.

As duas atletas, que fazem parte de uma comitiva de cerca de uma centena de participantes, estavam ladeadas por vários croatas desiludidos com o jogo, mas ainda assim querem que todos “respondam” dentro de campo em Coimbra.

“Espero que nós também possamos conseguir bons resultados”, considerou Paurevic.

A França sagrou-se hoje campeã mundial de futebol pela segunda vez na sua história, 20 anos depois, ao vencer a Croácia por 4-2, na final da 21.ª edição da prova, disputada no Estádio Luzhniki, em Moscovo.

Mario Mandzukic (18 minutos), na própria baliza, Antoine Griezmann (38), de grande penalidade, Paul Pogba (59) e Kylian Mbappé (65) apontaram os golos dos franceses, enquanto Ivan Perisic (28) e Mandzukic (69) marcaram para os croatas.

A França tornou-se a sexta seleção a ‘bisar’ o título mundial, depois de Itália, Uruguai, Brasil, Alemanha e Argentina, sendo que conquistaram o primeiro fora, depois do triunfo em solo gaulês, em 1998, com uma vitória de 3-0 ao Brasil na final.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.