“Se for convidado para jogar lá, no mesmo dia, vou descalço e sem camisa”, afirmou o jogador do Petro de Luanda, no final do treino aos jornalistas angolanos e estrangeiros que cobriam a sessão.

Reagindo à informação divulgada hoje na imprensa portuguesa, dando conta do seu provável vínculo contratual com os “encarnados” de Portugal, o atleta do Petro de Luanda disse que até ao momento não foi contactado por ninguém com relação a este assunto, mas gostaria de jogar na Europa e, no Benfica, em particular.

“A única coisa que sei, li e ouvi na imprensa, mas oficialmente nada chegou até mim”, esclareceu, reiterando que seria um orgulho para sua mãe se jogasse na formação em que milita outro angolano: Pedro Mantorras.

Com 22 anos, Job é conhecido pelos seus dribles e é um dos atletas mais queridos pelo público angolano, que o apelidou carinhosamente de “Puto Maravilha”.

Por sua vez, Djalma, também apontando pela imprensa portuguesa ao FC Porto, preferiu não comentar sobre o assunto. “Neste momento só falo da selecção nacional”, salientou o filho do ex-internacional angolano Abel Campos.

A actuar no Marítimo, da primeira liga portuguesa, Djalma é uma das principais referências africanas a jogar naquele campeonato. No início da época especulou-se a sua transferência para um dos grandes de Portugal como são os casos do Porto, Benfica e Sporting.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.