O até hoje treinador do Paços de Ferreira, Henrique Calisto, afirmou em declarações ao jornal Bola que está surpreendido por o Paços de Ferreira ter decidido pôr fim ao contrato que o ligava ao clube.

“Estou surpreendido. Em termos pontuais, desde que entrei no Paços, temos mais pontos do que os adversários diretos e podemos igualar outros, com os dois próximos jogos a serem disputados em casa», analisou o treinador, que desconfia dos motivos para a rescisão.

“Não podem ser razões desportivas a afastarem-me do Paços de Ferreira”, alegou, embora o motivo evocado pelos responsáveis do Paços tenham sido os “maus resultados”.

“Mas agora pergunto: como é possível, atendendo ao que já enunciei? Somámos mais pontos do que adversários diretos. Obviamente, não concordo com esta justificação. Era unânime na análise ao grupo a necessidade de contratar mais jogadores. À entrada para a última semana do período de transferências de janeiro, supunha-se que o Paços ainda tinha disponíveis mais duas vagas, mas afinal... não. O Vítor e o Jaime Poulson tinham-nas preenchido no início da temporada. Ficou sem efeito a entrada de um ponta-de-lança e de um outro jogador», terminou.