A chama olímpica deixa de estar exposta ao público em Fukushima, anunciou hoje o comité organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio, após o governo do Japão ter declarado o estado de emergência em sete regiões, devido à covid-19.

“Inicialmente, queríamos manter a sua exposição pública até ao final de abril. Mas, perante os desenvolvimentos recentes, decidimos guardá-la”, disse o porta-voz do comité organizador, sem precisar qual será o destino da chama.

Chegada em 20 de março da Grécia, onde foi acesa, a chama olímpica deixaria Fukushima em 26 de março para realizar um percurso pelo Japão até à sua chegada a Tóquio em 24 de julho, dia da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos.

A chama olímpica estava exposta desde a semana passada em Fukushima, a nordeste de Honshu, a ilha principal do arquipélago, que é um local altamente simbólico, após o terremoto, seguido de tsunami, há nove anos, e do desastre nuclear de 2011.

Em 24 de março, o Comité Olímpico Internacional (COI) e o governo japonês decidiram adiar os Jogos Olímpicos Tóquio2020, devido à pandemia de covid-19, tendo, uma semana depois, em 30 de março, marcado o evento entre 23 de julho e 08 de agosto de 2021.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 73 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.