Já é conhecido o novo campeão olímpico de estrada masculino de ciclismo. Ao fim de mais de 250 Km e seis horas de prova, o equatoriano Richard Carapaz atacou a cerca de 15 quilómetros da meta juntamente com o norte-americano Brandon McNulty , isolou-se na derradeira colina do circuito e acabou por chegar sozinho à meta, instalada no Autódromo Internacional de Fuji.

Carapaz, que tinha sido terceiro classificado na recente edição do Tour de França e vencedor da Volta a Itália em 2019, descolou do grupo dos favoritos juntamente com o norte-americano Brandon McNulty e desferiu o ataque final na luta pelo ouro já dentro do circuito a sensivelmente seis quilómetros da meta instalada no Autódromo Internacional de Fuji., descolou do grupo dos favoritos juntamente com o norte-americano Brandon McNulty e desferiu o ataque final na luta pelo ouro já dentro do circuito a sensivelmente seis quilómetros da meta instalada no Autódromo Internacional de Fuji.

Cerca de um minuto depois chegou o grupo com alguns dos principais favoritos, que entretanto alcançou McNulty, com o belga Wout van Aert, que também brilhou no Tour, a ficar com a prata numa discussão ao sprint com o esloveno Taadej Pogacar, vencedor do Tour 2020 e 2021, que desta feita se teve de contentar com o bronze.

João Almeida, o melhor português, chegou no grupo seguinte, a mais de dois minutos, terminando a prova no 13.º lugar. O outro português em prova, Nélson Oliveira, foi 43.º.

*Artigo corrigido

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.